Decisão de Moraes identifica 11 perfis de criação das fake news

Entre estes, está o de Allan do Santos, que teve mandado de busca e apreensão em sua casa e escritório na manhã desta quarta-feira (27/05)

atualizado 27/05/2020 15:44

Hugo Barreto/Metrópoles

Na decisão que embasou as ordens de busca e apreensão dentro do inquérito das fake news que tramita no Supremo Tribunal Federal (STF), o relator Alexandre de Moraes identificou 11 perfis que integram o que ele chamou de “mecanismo coordenado de criação e divulgação” de notícias falsas. A busca, segundo ele detalhou, foi feita a partir das hashtags que criticavam a Corte.

Os perfis acusados são: Allan dos Santos, Bernardo Kuster, Bolsonéas, Gil Diniz, Crítica Nacional, Filipe Barros, Leandro Ruschel, Left Dex, Faka, Patriotas e TeAtualizei.

“Como se vê de tudo até então apresentado, recaem sobre os indivíduos aqui identificados sérias suspeitas de que integrariam esse complexo esquema de disseminação de notícias falsas por intermédio de publicações em redes sociais, atingindo um público diário de milhões de pessoas, expondo a perigo de lesão, com suas notícias ofensivas e fraudulentas, a independência dos poderes e o Estado de Direito”, disse o ministro, na decisão.

Além disso, as investigações apontaram que os perfis espalham boatos uns dos outros.

Na manhã desta quarta-feira (27/05), a Polícia Federal (PF) cumpriu 29 mandados de busca e apreensão do inquérito. Entre estes, estão o deputado estadual Douglas Garcia e o blogueiro Allan dos Santos, ambos aliados do presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

0

Últimas notícias