Covid-19: Funai confirma morte de mais dois indígenas no Amazonas

Homem Tikuna de 78 anos e uma mulher Kokama, de 44, foram vítimas do novo coronavírus

atualizado 11/04/2020 20:55

A Funai confirmou a morte de mais dois indígenas neste sábado (11/04) vítimas do novo coronavírus, em Manaus, capital do Amazonas, região que enfrenta uma forte escalada da Covid-19.

Em nota, a Funai lamentou a morte de um indígena de 78 anos, da etnia Tikuna, e de uma indígena Kokama, de 44 anos.

A confirmação se deu pelo Ministério da Saúde, por meio da Secretaria Especial de Saúde Indígena e do Distrito Sanitário Especial Indígena Alto Rio Solimões.

O indígena Tikuna, segundo a Funai, foi removido do Hospital de Tabatinga (AM), em UTI aérea do estado, para tratar problemas cardíacos.

Estava internado na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital Delphina Aziz, em Manaus. Durante o período de tratamento hospitalar, o teste para Covid-19 acusou positivo.

A indígena Kokama estava internada desde 28 de fevereiro, em Manaus, para tratamento de anemia. O quadro da paciente agravou-se após contrair o coronavírus, quando passou a respirar por aparelhos.

De acordo com o atestado de óbito, a indígena faleceu em decorrência de insuficiência respiratória aguda.

Na sexta-feira (10/04), a Funai confirmou a morte de um indígena Yanomami de apenas 15 anos. Alvaney Xiriana Pereira havia sido diagnosticado com coronavírus.

Segundo o Ministério da Saúde, o jovem estava internado no Hospital Geral de Roraima e faleceu na quinta-feira, vítima de síndrome respiratória aguda grave.

Há pelo menos mais seis casos confirmados de contaminação. A Secretaria Especial de Saúde Indígena, do governo federal, orientou indígenas a evitarem deslocamentos das aldeias a centros urbanos, assim como não permitirem a entrada de pessoas externas em suas terras.

Conforme o ministério informou, 800 mil indígenas vivem em aldeias sob a responsabilidade de atendimento dos 34 distritos sanitários especiais em todo o país.

Últimas notícias