Comissão de Braile do MEC deverá unificar sistema com outros países

Instituído pelo Ministério da Educação, o grupo também terá incumbência de popularizar o ensino e aprendizado do código

Toninho Tavares/Agência BrasíliaToninho Tavares/Agência Brasília

atualizado 17/07/2019 15:33

O Ministério da Educação (MEC) instituiu, nesta quarta-feira (17/07/2019), a Comissão Brasileira de Braile com o objetivo de normatizar o uso, o ensino e a difusão do sistema em diferentes áreas de conhecimento. A Comissão unificará também as aplicações do código nas línguas portuguesa e espanhola, de acordo com publicação do Diário Oficial da União (DOU).

O grupo deverá avaliar a simbologia no Brasil e rever a necessidade de alterá-la para alcançar a evolução de outros países. Além disso, a comissão tem a incumbência política de dialogar com outras nações para fortalecer o sistema utilizado em território nacional e buscar unificá-lo sempre que possível.  Com a decisão, a pasta pretende ampliar o ensino do código, elaborando materiais técnicos e pedagógicos para difusão.

A escolha dos membros da comissão será feita por um representante da Secretaria de Modalidades Especializadas do MEC e será composta por um integrante do Instituto Benjamin Constant, da Organização Nacional dos Cegos do Brasil e dos centros de Apoio Pedagógico à pessoa com Deficiência Visual de diferentes regiões brasileiras.

O governo federal tem levantado a bandeira dos deficientes físicos, liderada, principalmente, pela primeira-dama, Michelle Bolsonaro. Nessa segunda-feira (15/07/2019), ela participou da contratação de novos servidores da Caixa, todos com algum tipo de deficiência física. Michelle, ao discursar, arrastou a cadeira para próximo da intérprete de Libras que acompanhava o evento.

“Saibam que vocês podem fazer a diferença”, comentou. Durante cerimônia, a esposa do presidente Jair Bolsonaro (PSL) ressaltou que o “grande desafio para inclusão está na transformação dos olhares”. “A mudança está na aceitação do próximo como profissional e não como deficiente”, destacou.

Últimas notícias