Caso Henry: Prefeitura do Rio afasta Monique e apura irregularidades

Monique pediu licença médica, mas teve a solicitação negada. Prefeitura investiga suspeita de irregularidades na folha de ponto

atualizado 25/01/2023 12:25

Aline Massuca/Metrópoles

A Prefeitura do Rio de Janeiro afastou Monique Medeiros, ré pela morte do filho, Henry Borel, das funções na Secretaria Municipal de Educação nesta quarta-feira (25/1). A mãe da criança, servidora concursada, obteve na Justiça o direito a voltar a trabalhar no órgão, mas pediu licença médica de 60 dias, e teve a solicitação negada.

Segundo despacho publicado no Diário Oficial do Estado Rio de Janeiro, a medida tem como objetivo evitar que, cumprindo a função, Monique influencie um processo administrativo em andamento desde 2021.

O texto, assinado pelo prefeito Eduardo Paes (PSB), se baseia no artigo do Estatuto do Servidor que permite que a suspensão se estenda até 90 dias.

Mesmo afastada do cargo, Monique continuará recebendo salário e poderá contar tempo de serviço para aposentadoria.

Segundo a Secretaria Municipal de Educação do Rio de Janeiro, a mãe de Henry Borel foi afastada por conta da sindicância que apura o inquérito administrativo de 2021, e uma suspeita de fraude na folha de ponto.

Conforme a investigação, Monique teria preenchido o documento de trabalho irregularmente até o fim de janeiro — como se tivesse cumprido expediente todos os dias —, muito antes do fim do mês.

“Como o ponto da servidora já tem assinatura de presença futura? Isso não tem o menor cabimento. Diante disso, determinei investigação rigorosa por parte da Secretaria, que culminou com a decretação a partir de hoje do afastamento dela. Enquanto isso, vamos aprofundar nas apurações”, explicou o secretário Renan Ferreirinha.

Função administrativa

Monique Medeiros é servidora concursada e estava afastada das funções desde abril de 2021, quando foi presa por homicídio duplamente qualificado. Até agosto de 2020, ela exercia o cargo de diretora na Escola Municipal Ariena Vianna da Silva, em Senador Camará, na zona oeste do Rio.

Em 12 de dezembro de 2022, ela voltou a assumir funções na secretaria, após decisão judicial. A prefeitura preferiu tirá-la de qualquer cargo que pudesse ter relação com crianças; por isso, ela foi alocada em um almoxarifado.

Mais lidas
Últimas notícias