Caso dos 80 tiros: audiência que ouviria acusados é adiada

Motivo seria indicação de uma testemunha de defesa que, ao depor em juízo, disse não ter presenciado ação

atualizado 26/08/2019 16:32

Facebook/Reprodução

A Justiça Militar Federal adiou a audiência em que seriam ouvidos nesta segunda-feira (26/08/2019) os 12 militares do Exército que respondem pelas mortes do músico Evaldo Rosa dos Santos, de 46 anos, que estava em um carro alvejado por cerca de 80 tiros, e do catador de papel Luciano Macedo, de 27, que também foi baleado ao tentar ajudá-lo. O crime ocorreu em abril, na zona norte do Rio de Janeiro.

O motivo do adiamento foi a indicação de uma testemunha de defesa que, ao depor em juízo, disse não ter presenciado ação. A testemunha era um soldado da Polícia Militar, que afirmou não ser da guarnição que aparece em um vídeo gravado no momento da ação de socorro às vítimas dos disparos.

Segundo a assessoria de imprensa do Superior Tribunal Militar (STM), como os réus não podem ser ouvidos antes de todas as testemunhas, foi necessário adiar a audiência, que chegou a ouvir um tenente da PM que atua na área em que foram feitos os disparos.

A juíza Mariana Queiroz Aquino Campos marcou a oitiva dos réus para início de outubro e deu prazo de cinco dias para a defesa apresentar o nome dos policiais militares que vão testemunhar em defesa dos militares do Exército.

A Justiça Militar aceitou a denúncia do Ministério Público Militar (MPM) no dia 11 de maio e transformou em réus 12 integrantes do Exército no caso do carro em Guadalupe, Um segundo-tenente, um terceiro-sargento, dois cabos e oito soldados vão responder por homicídio qualificado, tentativa qualificada e omissão de socorro.

De acordo com o MPM, os militares buscavam autores de um roubo e dispararam contra o carro onde estava Evaldo, um Ford Ka branco. O sogro do músico foi ferido na ação, enquanto sua mulher, seu filho e uma amiga que também estavam no veículo não foram atingidos. O catador Luciano foi baleado ao tentar socorrer Evaldo e morreu 11 dias depois, no Hospital Estadual Carlos Chagas.

Últimas notícias