Bolsonaro trata Moro com “sã camaradagem e confiança”, diz porta-voz

Pela primeira vez, Planalto se posiciona oficialmente sobre vazamento de mensagens da Lava Jato - pouco antes de nova conversa ser divulgada

Marcos Corrêa/PRMarcos Corrêa/PR

atualizado 12/06/2019 20:42

O Palácio do Planalto se posicionou oficialmente, pela primeira vez, sobre o episódio do vazamento de mensagens envolvendo o ministro da Justiça e da Segurança Pública, Sergio Moro, e procuradores da Operação Lava Jato em Curitiba. O porta-voz do governo, Otávio do Rêgo Barros, disse no fim da tarde desta quarta-feira (12/06/2019) que o presidente Jair Bolsonaro (PSL) trata o ministro em “um ambiente de sã camaradagem e de confiança”.

A manifestação foi feita quase ao mesmo tempo em que, na rádio BandNews FM, o editor do The Intercept Brasil, Leandro Demori, apresentava, ao lado do apresentador Reinaldo Azevedo, nova conversa que teria sido entregue por uma fonte anônima ao site. Na reprodução da mensagem supostamente trocada entre Moro e o coordenador da Lava Jato no Paraná, Deltan Dallagnol, o procurador conta ao então juiz que havia conversado com o ministro do STF Luiz Fux e recebido apoio entusiasmado.

Bolsonaro se encontrou com Moro mais uma vez nesta quarta. Na terça-feira, os dois tiveram uma primeira conversa pessoalmente sobre o assunto e participaram de uma cerimônia na Marinha em seguida. No mesmo dia, o Ministério da Justiça enviou uma nota dizendo que chefe da pasta havia se explicado ao presidente.

“O presidente acompanha, com a serenidade que deve ser natural de um chefe de poder, em especial a um chefe do poder Executivo a quem o ministro é subordinado”, afirmou Rêgo Barros. “É nesse sentido que o presidente vem se relacionando com ele e relacionando-se com todos os ministros do governo em um ambiente de sã camaradagem de confiança”, completou.

Últimas notícias