*
 

O Instituto de Seguridade Social dos Correios e Telégrafos — Fundo Postalis — informou, por meio de nota, que a sede do órgão, em Brasília, não foi alvo das diligências e está funcionando normalmente. O Postalis mencionou, ainda, que não possui novas informações a respeito da Operação Pausare, deflagrada nesta quinta-feira (1º/2) pela Polícia Federal (PF).

O Instituto alegou que está sob intervenção da Superintendência Nacional de Previdência Complementar (Previc) desde outubro de 2017 e afirmou ter interesse de que os fatos investigados sejam esclarecidos com a maior brevidade possível.

Entenda o caso
A Polícia Federal deflagrou nesta quinta (1º)  uma megaoperação contra a suposta atuação de organização criminosa especializada no desvio de recursos previdenciários do Fundo Postalis. O esforço concentrado, batizado de Operação Pausare, deve durar 48 horas, com atuação no Distrito Federal, São Paulo, Rio de Janeiro e Alagoas.

Serão 62 equipes para cumprir cerca de 100 mandados judiciais. Segundo a PF, a operação surge de um conjunto de auditorias de órgãos de controle que identificaram má gestão, irregularidades e impropriedades na aplicação dos recursos do Postalis.

Entre os alvos das medidas judiciais há pessoas físicas, em especial empresários em suposta articulação com gestores do Postalis, bem como dirigentes de uma instituição financeira internacional.

 

 

COMENTE

CorreiospostalisfuncionáriosOperação Pausare
comunicar erro à redação

Leia mais: Brasil