Se não for candidato a presidente, Jereissati poderá apoiar Ciro

É impensável que o Ceará, ou qualquer outro Estado do seu porte, tenha dois candidatos a presidente com chances de vencer

atualizado 23/06/2021 5:16

Tasso Jereissati Igo Estrela/Metrópoles

É bom prestar atenção no que diz o senador Tasso Jereissati (PSDB-CE). Outro dia, ele disse que o PSDB poderá apoiar um candidato de outro partido na eleição presidencial de 2022

Jereissati é um dos três nomes que deverão disputar as prévias do PSDB em novembro próximo. Dali sairá o candidato do partido à sucessão do presidente Jair Bolsonaro.

Com o que disse a respeito do apoio a um nome de fora do PSDB, ele pode estar pretendendo apenas enfraquecer João Doria, governador de São Paulo, favorito a ganhar as prévias.

O terceiro nome seria o do governador Eduardo Leite (PSDB), do Rio Grande do Sul. Mas nem Leite nem Jereissati são páreo duro para Doria. Jereissati tem problemas de saúde.

E enfrenta também no seu Estado um problema político chamado Ciro Gomes, candidato do PDT. Dois candidatos de um mesmo Estado a presidente da República seriam um pouco demais.

De resto, Jereissati e Ciro são bons amigos. Ciro entrou na política pelas mãos de Jereissati. Pela quarta vez, concorrerá à presidência. Se perder, encerrará a carreira.

As coisas já estiveram melhores para Ciro, mas aí surgiu a candidatura de Lula e tomou-lhe o espaço da esquerda. Resta a Ciro avançar sobre o espaço da direita.

Acontece que o espaço da direita estará congestionado com as candidaturas de Bolsonaro, de Doria e de quem mais aparecer. Como Jereissati negaria apoio a um nome do seu Estado?

É com isso que conta Ciro. A conferir até o fim do ano – ou antes.