Depoimento dos irmãos Miranda baterá recorde de audiência da CPI

A história esquisita da compra superfaturada da vacina indiana contra a Covid-19 que não chegou ao Brasil até hoje

atualizado 23/06/2021 16:51

Luis Miranda e Jair Bolsonaro Divulgação/Luis Miranda

“Filhos da pátria”, berrou ao telefone, ontem à tarde, o presidente Jair Bolsonaro, ao saber que senadores da cúpula da CPI da Covid-19 pretendem convocar para depor nesta sexta-feira os irmãos Luís Miranda, deputado federal pelo DEM do Distrito Federal, e Luís Ricardo Fernandes Miranda, servidor do Ministério da Saúde.

(Não foi bem “filhos da pátria” o que berrou Bolsonaro, e ouviu acidentalmente um funcionário do Palácio do Planalto. Foi outra coisa parecida com isso. E não foi um reles funcionário do palácio que ouviu, muito menos por acidente. Foi o graduado titular de um dos gabinetes próximos ao do presidente.)

Lázaro Torres, o serial killer, está no mato repleto de cachorros à sua caça, alguns deles, por seu apurado faro, importados de outros Estados. Bolsonaro parece estar no mato sem cachorro desde que os irmãos Miranda decidiram contar à CPI o que sabem sobre a compra da vacina indiana Covaxin.

Em depoimento ao Ministério Público Federal, Luís Ricardo Fernandes disse que o governo fez pressão para a compra da vacina indiana e para favorecer a Precisa Medicamentos, empresa que intermediou a compra. Ao jornal O Estado de S. Paulo, Luís Miranda, o deputado, disse que seu irmão chegou a ser demitido.

“Situação esdrúxula. Absurdo o que estavam tentando fazer. Era grave a situação”, disse Miranda. O governo fechou o contrato de compra da vacina por um preço 1.000% maior do que o anunciado pela fabricante seis meses antes. Miranda procurou o então ministro Eduardo Pazuello para reverter a demissão do irmão.

“Fui despachar com o Pazuello e falei que ele (Luís Ricardo) estava sendo exonerado porque estava denunciando um esquema de corrupção. Vou explodir na mídia se fizerem isso com o garoto”, ameaçou o deputado, contando a conversa que teve com o general. Que lhe teria respondido:

– Luís, eu não estou sabendo do caso, mas, se de fato não tiverem nada, o chefe dele não tiver nada que comprove alguma coisa contra ele, vou dar sem efeito a exoneração.

Pazuello suspendeu a demissão. Todas as vacinas em uso no Brasil foram compradas diretamente pelo governo federal aos seus fabricantes – menos a Covaxin. A Precisa Medicamentos está na mira da CPI que quebrou os sigilos de um de seus sócios. Ela já foi acusada de fraude na venda de testes para a Covid-19.

Sobre o mato sem cachorro em que se acha Bolsonaro: o governo pagou mais pela vacina indiana do que por qualquer outra. Em novembro último, Bolsonaro disse que não pagaria qualquer preço pela Coronavac, vacina chinesa. A dose da Coronavac custou ao país R$ 58, enquanto a Covaxin saiu por R$ 80.

Em janeiro, antes do acerto, Bolsonaro escreveu uma carta ao primeiro-ministro indiano para informar que a Covaxin havia sido escolhida para o programa de imunização brasileiro. A entrega das primeiras doses foi prevista para maio. Nenhuma chegou até hoje. O depoimento dos irmãos Miranda vai bater recorde de audiência.

Últimas do Blog