Contra perguntas incômodas, o silêncio ou desaforos

Um presidente em apuros que só pode circular em ambientes blindados por seus devotos ou seguranças

atualizado 28/06/2021 6:17

Agenda do Presidente Jair Bolsonaro durante Cerimônia de anuncio Caixa Patrocínio ao Esporte Brasileiro Rafaela Felicciano/Metrópoles

Se nada disse até hoje sobre os 89 mil reais depositados por Fabrício Queiroz na conta da sua mulher, Michelle; se nada disse sobre o fato do seu advogado Frederick Wassef ter escondido Queiroz da justiça; por que Bolsonaro confirmará se citou o nome do deputado Ricardo Barros (PP-PR), líder do governo na Câmara?

Nem que o caminho dele cruze com o de uma jornalista ciente do seu dever de fazer perguntas incômodas, Bolsonaro admitirá que citou o nome de Barros em conversa com os irmãos Miranda sobre a compra superfaturada da vacina indiana Covaxin. Ou negará. E, convenhamos, por razões compreensíveis.

Se admitisse que citou, confessaria que cometeu o crime de prevaricação, porque obrigado a mandar investigar Barros, não mandou. Se negasse, se arriscaria a ser acusado de mentir ao país caso a conversa com os Miranda tenha sido de fato gravada, algo que Miranda, o deputado bolsonarista, insinua que foi.

Dizia-se à época em que Dilma Rousseff presidia o país, que ela não se sentia à vontade para circular livremente com medo de ouvir desaforos ou de ser vaiada por grupos organizados que se lhe opunham. Bolsonaro já não pode mais dar-se a esse luxo, a não ser em ambientes sob o estrito controle dos seus devotos.

Dilma ainda respondia, vez por outra, a perguntas incômodas de jornalistas. Bolsonaro, cada vez menos. E quando o faz é sempre para detratar os autores de perguntas que ele não gostaria de responder, ou que não pode responder para não correr o risco de se complicar com a justiça. Que final de governo!