Blog com notícias, comentários, charges e enquetes sobre o que acontece na política brasileira. Por Ricardo Noblat e equipe

18 anos Blog do Noblat

Comandante da FAB: “Militares obedecerão a Lula ou qualquer outro”

Brigadeiro com fama de bolsonarista manda recado ao presidente

atualizado 31/01/2022 8:56

Cerimônia de comemoração do dia do soldado no Quartel General do Exército agenda bolsonaro militares 4 Rafaela Felicciano/Metrópoles

É possível que no domingo o presidente Jair Bolsonaro tenha se empanturrado de frango e farofa numa calçada de Brasília para compensar o aborrecimento que teria no dia seguinte.

Na madrugada de hoje, ele já pode ler nas redes sociais a manchete de capa do jornal Folha de S. Paulo: “Militares obedecerão a Lula ou qualquer outro, diz líder da FAB”.

A manchete é um sinal dos tempos que vivemos desde que os chefes militares da época ajudaram Bolsonaro a se eleger. Bolsonaro retribuiu enchendo seu governo de militares.

Nem durante os 21 anos da ditadura de 1964, o governo foi tão militarizado como agora. São mais de 6 mil fardados em cargos que antes eram reservados a civis.

Bolsonaro é militar da reserva, por sinal um mal militar, segundo disse Ernesto Geisel, o terceiro general-presidente da ditadura. O vice é também, e Bolsonaro pensa em outro para vice.

Os três atuais comandantes do Exército, Marinha e Aeronáutica ascenderam aos seus cargos quando Bolsonaro forçou a saída no ano passado do general Edson Leal Pujol, comandante do Exército.

O presidente gostava do general Eduardo Villas Bôas, que antecedeu Pujol; devia-lhe favores. Mas não gostava da distância que Pujol mantinha dele; queria um Exército para chamar de seu.

Pensou ter encontrado quando o general Paulo Sérgio de Oliveira sucedeu Pujol. Na ocasião, o brigadeiro Carlos de Almeida Baptista Junior, com fama de bolsonarista, assumiu a Aeronáutica.

O que ele disse à Folha talvez não merecesse uma nota de pé de página não fosse este um ano eleitoral e Lula não liderasse as pesquisas de intenção de voto, com Bolsonaro muito atrás.

Não significa que os militares começam a abandonar Bolsonaro, mas indica que eles não querem que a política partidária arrombe de vez a porta dos quartéis. A ser assim, é um bom sinal.

Os que prezam a democracia agradecem, embora não passe de obrigação dos militares manterem-se longe da política.

Últimas do Blog