metropoles.com

Bolsonaro se move, embora devagar. Daí, talvez, sua irritação

Chamem Michelle para exorcizá-lo

atualizado

Compartilhar notícia

Reprodução/YouTube
Jair bolsonaro tenta tirar celular da mão de wilker leão-Randolfe
1 de 1 Jair bolsonaro tenta tirar celular da mão de wilker leão-Randolfe - Foto: Reprodução/YouTube

Está bem: não foi um movimento para o alto capaz de fazer Bolsonaro avistar luz no fim do túnel, o que lhe daria a certeza de que Lula não se elegerá no primeiro turno, ficando para o segundo a escolha do próximo presidente da República. Lula ainda se elege.

(Antigamente, se diria: não foi nenhuma Brastemp, empresa criada em São Bernardo do Campo, interior de São Paulo, em 1954, que ganhou fama de fabricar as melhores máquinas de lavar do país, e mais tarde fogões e geladeiras, referências no mercado.)

Mas Lula não cresceu e segue há meses estacionado nas pesquisas de intenção de voto, oscilando dentro da margem de erro. E Bolsonaro cresceu, segundo o Datafolha. Avançou três pontinhos. Desde maio, a diferença entre os dois caiu de 21 para 15 pontos.

Melhorou a avaliação do governo. Os que o acham ótimo ou bom são 30% dos eleitores, a taxa mais alta desde março de 2021. A rejeição a Bolsonaro (os que dizem que não votarão nele de jeito nenhum) é de 51%, mas já foi maior. A de Lula, 37%, era menor.

Lula lidera com folga entre os eleitores que recebem até dois salários mínimos (55% a 23%), entre as mulheres, jovens e os menos escolarizados. Bolsonaro, porém, o ultrapassou entre os que ganham de dois a cinco mínimos (41% a 38%).

Por regiões, Bolsonaro só vence no Norte (43% a 41%) e no Centro-Oeste (42% a 36%). Mas avançou nas demais onde Lula está na frente – Nordeste (57% a 24%), Sudeste (44% a 32%), e Sul (43% a 41%). Bolsonaro disparou entre os evangélicos, 30% do eleitorado.

Faltam 44 dias para as eleições, e 7 para o início da propaganda eleitoral no rádio e na televisão. Muita coisa ainda pode acontecer. O que Bolsonaro sabe e explica seus constantes ataques de nervos? Só ontem foram três, com direito à transmissão pela tv.

De manhã, à saída do Palácio da Alvorada, agarrou um youtuber pela gola da camisa e tentou tomar seu celular. À tarde, gritou com a própria equipe em meio a uma entrevista à imprensa: “Ninguém bota a mão em mim. Ninguém bota a mão em mim”.

À noite, em sua live semanal, foi grosseiro com um assessor que corrigiu uma informação errada dada por ele: “Fica na tua aí. Eu pedi tua opinião, pedi? Fica na tua aí”.

Não fosse sua mulher, talvez Michelle dissesse que Bolsonaro estava “endemoniado”. Mas esse é um adesivo que ela prefere aplicar a Lula e a todos que considera de esquerda. Aleluia, Senhor!

Compartilhar notícia

Quais assuntos você deseja receber?

sino

Parece que seu browser não está permitindo notificações. Siga os passos a baixo para habilitá-las:

1.

sino

Mais opções no Google Chrome

2.

sino

Configurações

3.

Configurações do site

4.

sino

Notificações

5.

sino

Os sites podem pedir para enviar notificações

metropoles.comBlog do Noblat

Você quer ficar por dentro da coluna Blog do Noblat e receber notificações em tempo real?

Notificações