Balanço das descobertas feitas até aqui pela CPI da Covid-19

Faltam mais de 70 dias para o fim da CPI, mas o prazo deverá ser prorrogado por mais 90 dias. Pazuello irá depor nesta quarta-feira

atualizado 16/05/2021 14:53

CPI da Covid Jefferson Rudy/Agência Senado

Duas semanas, não mais do que duas semanas, bastaram para que a CPI da Covid-19 no Senado ouvisse de meia dúzia de depoentes a revelação de fatos que confirmam a incúria do governo do presidente Jair Bolsonaro no combate à doença.

Os mais graves deles:

1) Houve tentativa de mudar a bula da cloroquina, medicamento sem eficácia contra o vírus, mas defendido com obsessão pelo presidente da República e seus áulicos;

2) O vereador Carlos Bolsonaro, o Zero Dois, participou de reuniões para a compra de vacinas, embora não tenha cargo formal dentro do governo do pai;

3)  O governo recusou sete propostas de compra da vacina Pfizer, só aceitando a sétima. Com isso, o país deixou de receber 1,5 milhão de doses em dezembro passado e 3 milhões até o fim de março.

À CPI o Ministério da Economia admitiu que não reservou dinheiro no Orçamento da União para o combate, este ano, da Covid. Acreditou que a pandemia estava no finalzinho.

O senador Omar Aziz (PDS-AM), presidente da CPI, não tem mais dúvidas:

– Pelo que já apuramos, pelo que eu estou vendo nos depoimentos, nunca houve o compromisso da compra da vacina. Sempre se tratou das questões da cloroquina, da ivermectina e de protocolos.

Novas descobertas poderão ser feitas com o depoimento marcado para a próxima quarta-feira (19/5) do general Eduardo Pazuello, ex-ministro da Saúde. Ele só poderá ficar calado até certo ponto.

A CPI tem mais de 70 dias pela frente para concluir seus trabalhos. O prazo deverá ser prorrogado por mais de 90. Daí o desespero de Bolsonaro, que radicaliza seu discurso justamente por causa disso.

Últimas do Blog