metropoles.com

Eduardo Bolsonaro responde a mais uma ação no Conselho de Ética, a 13ª

Filho do presidente é acusado de quebrar o decoro ao partir para cima de deputado petista com xingamentos

atualizado

Compartilhar notícia

Igo Estrela/Metrópoles
****Foto-eduardo-bolsonaro (1)
1 de 1 ****Foto-eduardo-bolsonaro (1) - Foto: Igo Estrela/Metrópoles

O presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), segue enviando a conta gotas ao Conselho de Ética as representações protocoladas contra deputados acusados de quebra de decoro parlamentar.

Na tarde desta segunda-feira, mais três casos foram despachados pela Mesa Diretora, entre os quais um contra Eduardo Bolsonaro (PL-SP). Esta é a 13ª representação contra Eduardo Bolsonaro no Conselho de Ética desde 2019, quando assumiu seu primeiro mandato. É o “recordista”. Nenhum deles acarretou qualquer punição ao parlamentar.

Outros quatro já tinha sido enviados e começam a tramitar amanhã. A ação contra Eduardo é representação de número 7 e foi numerada às 14:23 desta segunda.

O caso de Eduardo, e as outras duas, já entraram na pauta do presidente do conselho, Leur Lomanto (União-BA), e começará a andar.

O filho do presidente é acusado pelo PT de quebrar o decoro ao partir para cima do deputado Marcon (PT-RS), com xingamentos pesados, no dia 19 de abril, durante uma reunião da Comissão de Trabalho.

O parlamentar agiu dessa forma após o petista colocar em dúvida a facada que Bolsonaro foi vítima em Juiz de Fora (MG), durante a campanha eleitoral de 2018.

Eduardo xingou Marcon de “viado”, “puto”, “facada é seu c*” e “filho da p…”.

E disse também:

“Vocês tentaram matar meu pai. Quer me tirar do sério?”

E não mostrou preocupação em perder o mandato pelo seu ato naquele momento.

“Tá achando que tá na internet? Te enfio a mão na cara. Perco o mandato, mas com dignidade, coisa que vocês não tem. Seu filho da p…”.

Na ação, assinada pela presidente do PT, Gleisi Hoffmann, o partido diz que Eduardo estava “totalmente descompensado, furioso e intolerante” por conta de com um comentário que os petistas afirmaram já ser “popularizado na sociedade brasileira” (que a facada não teria ocorrido).

Na ação, o PT deixa em aberto a punição a ser aplicada a Eduardo, evitando pedir a cassação de seu mandato. Fala em “sanção cabível”.

Chegaram ao conselho também nesta tarde outras duas representações, contra as deputadas Talíria Petrone (PSol-RJ) e Juliana Cardoso (PT-SP).

Estranha o envio do caso de Talíria Petrone, que ocorreu na semana passada, durante a CPI do MST. O PL é o autor. Há ações do PSol contra bolsonaristas acusados de envolvimento nos atos de 8 de janeiro e que estão parados na Mesa até hoje. Foram protocolados em fevereiro.

O PL acusa a parlamentar do PSol de quebrar ao decoro por ela ter afirmado que o relator da CPI, Ricardo Salles (PL-SP), “é acusado de fraudar mapas, tem relação com o garimpo ilegal, na época que era ministro do Meio Ambiente, foi reportado sobre madeira ilegal. Ele nem ligou porque não defende o meio ambiente. Então, contra os fatos, não há argumento…E olha que nem chamei de bandido nem de marginal”.

No caso de Juliana Cardoso, a petista é alvo de uma ação do PP porque, na votação do marco temporal das terras indígenas, ela discursou chamando os deputados que votaram a favor de “assassinos do novo posso indígena”.

 

 

Compartilhar notícia

Quais assuntos você deseja receber?

sino

Parece que seu browser não está permitindo notificações. Siga os passos a baixo para habilitá-las:

1.

sino

Mais opções no Google Chrome

2.

sino

Configurações

3.

Configurações do site

4.

sino

Notificações

5.

sino

Os sites podem pedir para enviar notificações

metropoles.comBlog do Noblat

Você quer ficar por dentro da coluna Blog do Noblat e receber notificações em tempo real?

Notificações