Blog com notícias, comentários, charges e enquetes sobre o que acontece na política brasileira. Por Ricardo Noblat e equipe

18 anos Blog do Noblat

Bancada de Michelle tem loira do Tchan, intérprete de libras e irmãos

Primeira-dama está decidida a fazer campanha para amigos e parentes e calcula que pode eleger dez deputados federais

atualizado 04/04/2022 10:36

Gustavo Moreno/Metrópoles

A primeira-dama, Michelle Bolsonaro, está entusiasmada com campanha eleitoral que se avizinha e quer eleger a sua bancada na Câmara dos Deputados. Além de candidatos de “primeira viagem”, Michelle será cabo eleitoral de pelo menos dois deputados que vão tentar a reeleição.

Entre os nomes a serem apoiados pela primeira-dama estão a da ex-ministra Damares Alves, se de fato for concorrer a algum cargo, o intérprete de libras do Planalto, Fabiano Guimarães, – ambos do Republicanos – e a jornalista Amália Barros, que se filiou ao PL com a presença de Michelle, e será candidata a deputada por Mato Grosso do Sul.

“Além de ser sua amiga pessoal, é uma mulher cristã e irá trabalhar em defesa das minorias” – disse Michelle no ato de filiação de Amália, que atua na causa em defesa das pessoas monoculares, como a primeira-dama.

A policial rodoviária Silmara Miranda, ex-loira do Tchan e do Republicanos,  tem o apoio de Michelle, assim como a secretária de Justiça e Cidadania do Distrito Federal, Marcela Passamani, do PL (ao lado de Michelle na foto acima).  As duas devem disputar duas vagas para deputada federal ou distrital.

Apesar do sério risco de terem seus nome impugnados pela Justiça Eleitoral, caso desejem mesmo disputar algum cargo, os irmãos de Michelle Bolsonaro se filiaram. São eles Carlos Eduardo Torres e Diego Dourado, ambos no PL. Eduardo teve seu nome lançado num vídeo ao lado de Carla Zambelli (PL-SP) e Hélio Negão (PL-RJ), ambos deputados federais. Foi apresentado como o “candidato de Bolsonaro” a deputado no Distrito Federal.

Dois parlamentares que vão tentar a reeleição tem seu apoio: Diego Garcia (Republicanos-PR) e Patrick Dornelles (PSDB-PB), que é portador de mucopolissacaridose, uma doença rara.

 

Últimas do Blog