Blog com notícias, comentários, charges e enquetes sobre o que acontece na política brasileira. Por Ricardo Noblat e equipe

19 anos Blog do Noblat

Por que nada contam sobre o nascimento de Jesus (Por Juan Arias)

A importância do presépio continua a residir na força do seu simbolismo

atualizado 26/12/2022 0:32

GraphicaArtis/Getty Images

As personagens natalícias, como o menino Jesus, a Virgem Maria, o misterioso e quase escondido José e todas as pessoas reais, míticas e simbólicas que os rodeiam, como os pastores, os Magos ou o tirano Herodes , bem como episódios como a fuga para o Egito ou o massacre de crianças reaparecem todos os anos nessas datas, apesar de quase nada se saber com certeza sobre tudo isso, como a data de nascimento de Jesus. É curioso que as origens de um personagem que teve importância mundial durante séculos como fundador da grande religião monoteísta, o cristianismo, nascido da evolução do judaísmo, permaneçam um mistério.

Enquanto os quatro chamados evangelhos canônicos , os únicos considerados verdadeiros pela Igreja de Roma, abundam em pequenos detalhes sobre a paixão e morte de Jesus, apenas dois deles, Mateus e Lucas, falam do nascimento de Jesus, mas com pequenas alusões e ignorando toda a sua infância . A origem da tradição popular em torno deste episódio, a começar pelos nomes dos três Reis Magos, que nem sequer foram reis, Melchior, Gaspar e Baltasar, bem como as vicissitudes da concepção, é conhecida apenas pelos evangelhos apócrifos – isto é, aqueles descartados pela Igreja que os considera falsos ou fantasiosos.

Os cristãos, porém, não abrem mão de saber o dia e o local de nascimento do fundador de sua religião. Os papas, perante o silêncio dos evangelhos canônicos, decidiram escolher o dia 25 de dezembro como data para celebrar oficialmente este evento, coincidindo com a festa pagã da Saturnália , cristianizando-a. Assim, por volta dessa data, surgiram dezenas de detalhes de uma lenda repleta de símbolos que evocam sentimentos de alegria familiar, ao mesmo tempo em que fazem transparecer o nascimento de Jesus envolto por um manto de proteção divina contra a ira do imperador Herodes, que temia que aquela criança vista como sucessora do rei Davi pudesse comprometer seu poder.

Também surgiram detalhes sobre a viagem de Nazaré a Belém, de Maria, já grávida, junto com José, do nascimento da criança em uma caverna, em uma manjedoura de animais, cercada de anjos e pastores, e da chegada de três Reis Magos guiados por uma estrela.

Historicamente, porém, sabe-se hoje, pelos escritos romanos, que naquela data não havia nenhum tipo de registro que obrigasse José e Maria a se mudarem para Belém, o que torna os detalhes daquela viagem e sua fuga uma pura lenda.

O próprio Papa Bento XVI , o teólogo alemão com fama de conservador Joseph Ratzinger, afirmou em 2013, num acesso de progressismo, que certamente na manjedoura onde Jesus nasceu não havia vacas nem burros.

Na época em que Jesus viveu, as pessoas eram chamadas pelo nome do pai ou pelo local de nascimento. E nos quatro evangelhos canônicos reconhecidos como verdadeiros pela Igreja, o filho de Maria é sempre chamado de “Jesus de Nazaré”, nunca uma vez “Jesus de Belém”, o que revela um consenso nas primeiras comunidades cristãs de que Maria deu à luz em Nazaré.

No entanto, embora os especialistas bíblicos concordem que os eventos que cercam o nascimento de Jesus são mais uma lenda, acredita-se que deva ser muito antigo. Existe até um local de culto considerado milagroso onde, segundo a lenda, Maria parou para amamentar seu filho, e onde hoje as mulheres grávidas vão pedir proteção à Virgem Maria.

Tudo isso diminui o poder, a beleza e a tensão da lenda do nascimento de Jesus, o fundador do cristianismo que lutou até a morte para levar os limites do judaísmo à crença universal? Pelo contrário, esta lenda reflete o interesse que as primeiras gerações de cristãos tiveram em conhecer os detalhes do nascimento.

Na verdade, os quatro evangelhos ditos canônicos (Mateus, Lucas, Marcos e João) nada mais são do que uma coleção de fatos e ditos de Jesus que eram comuns entre os primeiros cristãos e que acabaram misturando histórias verídicas dos apóstolos com fantasiosas adições para preencher as lacunas de notícias mais graves.

Foi assim que dezenas de outros evangelhos nasceram. Até que em certo momento os papas decidiram que apenas quatro eram verdadeiros e inspirados por Deus, e os demais eram apócrifas ou fruto de fantasias sem fundamento histórico. E curiosamente, os acontecimentos sobre o nascimento e a infância de Jesus são os que mais abundam nos textos apócrifos, já que os canônicos quase os ignoram. Os canônicos estavam interessados sobretudo na pregação, na paixão e morte de Jesus, mais do que em seu nascimento. Não está claro que critérios levaram os papas a considerar, entre as dezenas de evangelhos que circularam durante os primeiros séculos entre os cristãos, apenas quatro como inspirados por Deus.

Segundo os exegetas modernos, toda a literatura transmitida pelas primeiras comunidades cristãs, desde a própria existência da figura de Jesus e sua família até os motivos de sua crucificação, está contaminada pelas discussões dos primeiros cristãos, que acomodavam a realidade às discussões teológicas do momento, principalmente após a grande influência do único apóstolo que não conheceu Jesus em vida, Paulo de Tarso , cujos escritos foram muito importantes na criação da primeira teologia cristã.

Isso explica porque ainda hoje é difícil, mesmo com os quatro evangelhos canônicos e os escritos de Paulo, saber o que há de histórico e lendário no que se conta sobre os primórdios do cristianismo, ainda impregnado de judaísmo e doutrina agnóstica. É verdade, por exemplo, como aparece nas pinturas do século II em algumas catacumbas de Roma, que as mulheres já eram bispos e podiam celebrar a Eucaristia em suas casas?

Não se sabe exatamente, por exemplo, como nasceram os quatro evangelhos considerados pela Igreja como autênticos ou sobre seus autores e até que ponto muitas das palavras colocadas na boca de Jesus são, por exemplo, verdadeiras ou literárias. Esses evangelhos, que no início eram narrativas orais transmitidas de um cristão para outro e que se transformavam ao longo do caminho, acabaram sendo escritos.

No que diz respeito às frases colocadas na boca de Jesus, algumas delas clássicas como “Dai a César o que é de César e a Deus o que é de Deus”, ou “É mais fácil passar um camelo pelo fundo de uma agulha do que um rico ir para o céu”, há certo consenso entre os estudiosos da Bíblia, sejam católicos ou protestantes, de que não há certeza absoluta de que tenham sido realmente pronunciados por ele. Há alguns anos, 12 especialistas em estudos bíblicos católicos e protestantes se reuniram para analisar os ditos atribuídos a Jesus nos quatro evangelhos canônicos, e o resultado gerou espanto, pois só havia unanimidade sobre a autenticidade de meia dúzia de frases. O véu da dúvida caiu sobre o resto.

O que resta então para os cristãos históricos na base de sua fé se eles chegam a duvidar até mesmo da historicidade de seu fundador, de suas palavras, de suas origens e da verdade sobre sua sentença de morte e sua ressurreição ? Eles têm tudo, já que as crenças superam as barreiras da história para se concentrar na força da fé que, como disse Jesus (é verdade que ele disse isso?), “é capaz de mover montanhas”.

Assim, os acontecimentos do Natal, sejam lendas ou histórias, continuam a ser importantes para os cristãos, que os transformaram numa época do ano prenhe de significados espirituais e humanos que dizem respeito a algo tão forte e simbólico como a família, por muito que a os modelos criados para vivê-la mudaram hoje.

Há algo no Natal cristão, mesmo dispensando seu caráter puramente histórico, que provoca fortes batidas em jovens e velhos e que explica a força que essas datas ganharam no mundo mesmo sem motivações históricas.

E daí as queixas, justas e reais, contra o fato de que nestes tempos de modernidade e de consumismo desenfreado e pagão, a festa do Natal se tenha tornado algo mais próximo da bacanal das antigas festas pagãs de Roma do que da memória e recordação do nascimento de aquela criança que veio ao mundo com uma nova mensagem de amor, simplicidade, aceitação de tudo que desprezado pelo poder e aconchego familiar, simbolizada naquela que teria sido oferecida em uma manjedoura pelos animais que cercaram seu nascimento. Se era tudo história ou lenda, pouco importa. A importância do Natal continua a residir na força do seu simbolismo e no imperativo da felicidade de estarmos juntos, amando-nos, em qualquer modelo de família.

(Transcrito do El País)

Últimas do Blog