Blog com notícias, comentários, charges e enquetes sobre o que acontece na política brasileira. Por Ricardo Noblat e equipe

18 anos Blog do Noblat

Mudança climática: mercado acredita na Arca de Noé(por Felipe Sampaio)

O mercado encontra-se novamente em um dilema de sobrevivência. Porém, desta vez, o inimigo não é o Sultão Saladino, mas o próprio Planeta

atualizado 07/12/2022 23:38

Austin Distel/Unsplash

Na COP27 estavam presentes os diversos setores produtivos e financeiros do mercado, cuja dificuldade em aprovar providências urgentes expôs o que pode ser uma ingenuidade em relação à emergência climática. Afinal, ninguém em sã consciência imaginaria ser possível lucrar com o apocalipse.

A aprovação do fundo de compensação de perdas e danos, ainda que aos 45 minutos do segundo tempo, merece festejo, mas faltou bater o martelo em três detalhes: quanto dinheiro haverá, quem paga e quem recebe.

O fundo é portador do mesmo ‘pecado original’ de propostas anteriores, destinadas a consertar tropeços das economias modernas, como é o caso do aquecimento global. Ou seja, sempre que se pergunta quem banca as consequências, magoa-se a vaca sagrada do capitalismo (o lucro) e desperta-se um bicho-papão do mercado financeiro (a incerteza).

Lucro e risco são cláusulas pétreas da economia liberal. Maximizar o primeiro e minimizar o outro é o que justifica o investimento privado desde a última Cruzada, quando os reis, os papas e os mercadores (sob pena de extinção) resolveram fazer essa conta.

O mercado encontra-se novamente em um dilema de sobrevivência. Porém, desta vez, o inimigo não é o Sultão Saladino, mas o próprio Planeta (se correr o bicho pega, se ficar o bicho come).

O anfitrião da Cúpula do Clima elevou o patamar do desafio: “Estamos perdendo a luta das nossas vidas”. Ao dizer “nossas”, António Guterres deu a má notícia de que, no próximo dilúvio, não haverá Arca de Noé para salvar o life style dos homens brancos ricos.

Nesse cenário, os desastres naturais crescentes, somados à pandemia de COVID e à guerra na Ucrânia, mostram que a escala de tempo e intensidade dos fenômenos climáticos não está nem aí para o índice Dow Jones.

Enquanto algoritmos financeiros calculam como lucrar com finanças verdes, clean business, social bonds, greenwashing e ESG, um investidor distraído pode acordar com Wall Street afogada pela Baía de Manhattan ou cozinhada a 60°C.

O paradigma de negócios mudou. O pay back e o break-even point serão deslocados pelos custos inadiáveis da mudança climática. Os subsídios públicos e os créditos de carbono não bastarão para salvar as equações atuariais. Com sorte, servirão para aliviar a transição para um novo normal imprevisível. A nova unidade de medida para custos de oportunidade poderá ser o número de vidas perdidas.

Uma dica para bom uso imediato do dinheiro, seja público ou privado, seria justamente corrigir as simulações de cenários (para alimentos, água, energia, infraestrutura e geopolítica), antevendo um aumento médio de temperatura de 2,5°C. O resultado pode proporcionar o choque de realidade que falta.

 

Felipe Sampaio: foi assessor especial dos ministros da Defesa (2016-2018) e da Segurança Pública (2019); ex-secretário executivo de Segurança Urbana do Recife (2019-2020); cofundador do Centro Soberania e Clima.

Últimas do Blog