Blog com notícias, comentários, charges e enquetes sobre o que acontece na política brasileira. Por Ricardo Noblat e equipe

18 anos Blog do Noblat

Falta confiança (por Cristovam Buarque)

Fracasso em leilão de poços de petróleos deve abrir os olhos para a importância do fator mais escasso hoje no Brasil: a confiança

atualizado 09/10/2021 11:13

Preço da commodity acumula alta de quase 20% na semana AGÊNCIA BRASIL

O fracasso desta semana para leiloar poços de petróleo deve servir como uma lição para os economistas entenderem a importância do fator confiança na geração de riqueza. Até recentemente, a equação produtiva exigia três fatores: mão de obra, capital e recursos naturais. Com o tempo, passou-se a tratar a tecnologia – o chamado “como fazer”, como mais um fator de produção. O Brasil tem tecnologia e mão de obra, mas o petróleo continua no fundo do mar e sem gerar riqueza, por falta de capital para explorá-lo. O leilão visava superar esta falta e obter o capital necessário, mas fracassou porque a economia moderna requer mais um fator: confiança.

No mundo global, dispondo do fator confiança, o capital, tecnologia e até mão de obra são obtidos no mercado internacional. Este leilão deve abrir os olhos para a importância do fator mais escasso hoje no Brasil: confiança nas regras, na moeda, na sustentabilidade, seja política, fiscal, social ou ecológica. Aparentemente, as empresas não se interessaram sobretudo pelo medo de que exigências mundiais por proteção ecológica venham impedir a exploração de petróleo em áreas consideradas santuários, como Fernando de Noronha, Amazônia, Polo Norte. Além disso, o próprio petróleo não passa confiança diante do seu papel na catástrofe ambiental. Apesar de seu uso na indústria não energética, investir em petróleo nos dias de hoje começa a ser como foi investir na produção de óleo de baleia para iluminar ruas quando se descobriu a iluminação elétrica.

Este não é o único elemento que faz escasso o fator confiança. Também degrada a confiança a volta da inflação; o relaxamento na luta por estabilidade monetária, pobreza e violência nas ruas; a insegurança nas regras jurídicas; a frase do presidente ameaçando a realização das eleições e desafiando Deus a tirá-lo do trono; o baixo nível de educação; o abandono do ensino superior e do sistema de ciência e tecnologia; a imagem de destruidores de florestas e depredadores do Tesouro; a força de corporações empresariais e trabalhistas para manipular as leis. Este cenário deixa o Brasil como país pobre em confiança: a consequência é sermos párias e nossos leilões não terem resultados esperados. E e atraem especuladores que apostam na insegurança e acrescentam insegurança.

No próximo ano, o Brasil dá os primeiros passos no seu terceiro centenário, carregando o peso da falta do fator confiança em sua estrutura produtora e com fortes tentações para aumentar gastos públicos com o presente, aumentando a inflação.

Cristovam Buarque foi senador, ministro e governador

Últimas do Blog