A Antifacada (por Cristovam Buarque)

Bolsonaro enfrentará o candidato mais preparado que o Brasil já teve em disputa. Além da popularidade com que chega, Lula traz experiência

atualizado 02/10/2021 10:12

Rafaela Felicciano/Metrópoles

Dificilmente Bolsonaro teria sido eleito, se a facada não o tivesse liberado de comparecer aos debates. Ele não resistiria aos questionamentos de candidatos mais preparados, como Haddad, Marina, Alckmin, Ciro. Em 2022, ele terá de participar e vai enfrentar o candidato mais preparado que o Brasil já teve em disputa eleitoral. Além da popularidade com que chega, Lula trás a experiência de cinco disputas presidenciais e oito anos de exercício da presidência, carregado de conhecimento e reconhecimento em todos os setores da vida nacional e internacional.

As tentativas de constrangê-lo por ter sido condenado e preso poderão beneficia-lo, ao mostrar que suas condenações foram anuladas e parecem perseguições. Certo constrangimento virá das provas de corrupção por membros e associados dos seus governos. Mas a maior dificuldade do Lula poderá vir de posições manifestadas por militantes e dirigentes de partidos ligados ao Lula, assustando eleitores com desconfianças em relação à equipe com a qual ele governará.

As recentes agressões contra a Deputada Tabata Amaral, por pessoas próximas ao Lula, fizeram ampliar este temor. Chega-se a imaginar o risco de Lula nomear pessoas com esta agressividade para cargos em seu governo. Assusta ainda mais, que as críticas à Deputada Tabata refletem posições com desvios de caráter e também com posições políticas reacionárias, negacionistas, contrárias às reformas para quebrar privilégios e destravar o progresso do país.

Ouve de pessoas ao seu lado, sem que ele se distancie delas, repetidas posições populistas em defesa de irresponsabilidade fiscal, que trariam dificuldades para os pobres e ameaçariam o funcionamento da economia. Apesar de que os dois governos Lula foram rigorosamente responsáveis do ponto de vista fiscal, seu silêncio diante de falas populistas de seus aliados levantam dúvidas sobre o comportamento de um novo governo seu.

O Lula é o mais preparado para os debates eleitorais, mas corre risco de ser constrangido por associação com pessoas e grupos de caráter machista, violento e reacionário. Em um momento em que a Confiança é um fator determinante, tanto eleitoral quanto econômico, a credibilidade do ex-presidente pode ser afetada, provocando um efeito contrário à facada que, em 2018, protegeu ao menos preparado, e agora prejudicaria ao mais preparado. Seria a anti facada do Lula, desferida por falas irresponsáveis e reacionárias de seus aliados.

Cristovam Buarque foi senador pelo DF

Últimas do Blog