“Levou só chineladas”, diz homem que matou mulher com taco de beisebol

O suspeito disse na delegacia ter usado "apenas um chinelo" para bater na vítima. Pelo estado do corpo da mulher, tal informação é mentirosa

atualizado 11/05/2021 9:53

mulher sorrindoReprodução

O feminicídio de Larissa Pereira do Nascimento (foto em destaque), 22 anos, fica marcado como um dos crimes mais violentos registrados no Distrito Federal neste ano. A jovem foi assassinada pelo companheiro, João Paulo de Moura Sousa, 23, a golpes de taco de beisebol. Um dos olhos da vítima estava fora da cavidade ocular. Além disso, o corpo apresentava múltiplas lesões.

A mulher morreu em decorrência de trauma cranioencefálico, tamanha a violência dos golpes, na madrugada do último domingo  (9/5), no Condomínio Del Lago, no Itapoã. No entanto, o autor afirmou, em depoimento, que apenas deu “algumas chineladas” nas pernas de Larissa após uma discussão no quarto que o casal dividia na residência da mãe de João Paulo.

O criminoso contou que a discussão com Larissa teve início após ele ter sido chamado pela mãe para ajudá-la a resolver uma confusão que ocorria numa festa na antiga casa onde o casal morava. O suspeito contou que ao chegar à festa, surpreendeu-se com a presença de Larissa.

0
Chão frio

Preso em flagrante horas após a morte da companheira, Paulo contou aos policiais ter levado Larissa para o quarto, quando teve início uma discussão. A mãe e o padrasto teriam tentado intervir, mas o autor determinou que ninguém se metesse.

Segundo o relato dele, após as brigas, Larissa tinha o costume de dormir no chão. Quando Paulo acordou, por volta de 8h30, ao chamá-la, percebeu que seu braço estava gelado e o corpo, em estado de rigidez. Então, resolveu chamar uma ambulância do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu).

Pouco antes de ser preso, João Paulo usou as redes sociais para contar sua versão sobre a tragédia. Na mensagem, chegou a suspeitar que Larissa pudesse ter morrido em razão de ter dormido no “chão frio”.

0
Medida protetiva

Segundo apurado pela reportagem, Larissa havia retirado a medida protetiva contra o autor há quatro dias. “A mãe do João não teve nenhum ato de amor, sabendo que o filho estava matando a mãe do neto dela. Ela estava fria”, disse uma testemunha do caso.

Larissa deixou uma criança de 8 meses, fruto do relacionamento com João Paulo, apontado como alguém que sempre mostrou agressividade. Devido às agressões, o autor usava tornozeleira eletrônica, mas retirou o dispositivo e voltou a conviver com a vítima.

Na segunda-feira (10/5), a Justiça converteu em preventiva a prisão de João Paulo. Após assassinar a companheira, ele disse: “Mãe, eu a matei“.

 

 

Últimas notícias