DF: com golpes de taco de beisebol, homem tirou olho de mulher do lugar

João Paulo de Moura Sousa fugiu da cena do crime, mas foi preso na tarde desse domingo escondido na casa do pai

atualizado 10/05/2021 8:07

Larissa Pereira do NascimentoReprodução/Internet

Os detalhes do feminicídio ocorrido no Condomínio Del Lago, no Itapoã, na madrugada desse domingo (9/5), chocaram até os investigadores do caso. João Paulo de Moura Sousa, 23 anos, usou um taco de beisebol para espancar até a morte a companheira, Larissa Pereira do Nascimento (foto em destaque), 22.

A violência dos golpes foi tamanha que um dos olhos da vítima estava fora da cavidade ocular. Além disso, o corpo de Larissa apresentava múltiplas lesões. João Paulo fugiu da cena do crime, mas foi preso ainda na tarde de domingo escondido na casa do pai. Ele responderá pelo crime de feminicídio.

0

Em depoimento prestado na 6ª Delegacia de Polícia (Paranoá), pelo menos três vizinhos contaram ter ouvido gritos de desespero vindos da casa onde estavam Larissa e João Paulo.

A Polícia Militar do DF (PMDF) foi chamada duas vezes, mas a mãe do agressor, que também estava no imóvel, disse aos PMs que estava tudo bem. Logo após a guarnição deixar a residência, nova sessão de tortura foi iniciada. A mulher também será investigada.

“Para de me bater, para, deixa eu ir”, teria implorado a vítima, segundo os vizinhos. Ainda de acordo com a oitiva das pessoas que moravam perto do casal, já na manhã de domingo, João Paulo sentou-se com a mãe e o irmão na calçada e admitiu ter tirado a vida de Larissa de forma covarde.

Como consta no boletim de ocorrência registrado na Polícia Civil do DF (PCDF), ele teria dito à matriarca: “Mãe, ela está morta, eu matei ela, mas não quero ir preso”, disse o agressor. Mesmo a vítima tendo sido assassinada de madrugada, o Corpo de Bombeiros só foi acionado às 10h20.

Desespero

A mãe de Larissa – que não terá o nome revelado para preservá-la – compareceu ao local do crime e entrou em estado de choque após tomar conhecimento do óbito da filha.

A reação de João Paulo, de acordo com testemunhas, foi pedir desculpas à mulher, montar na bicicleta e deixar o local. O assassino seria preso horas mais tarde pela PMDF na casa do pai.

Últimas notícias