Empresária agredida no Rio deve prestar depoimento nesta segunda-feira

Em entrevista à programa de televisão neste domingo (24/2), Elaine Caparróz afirmou que pode ter sido vítima de uma vingança

atualizado 25/02/2019 11:17

Instagram/ Reprodução

A paisagista Elaine Caparróz, de 55 anos, deve prestar depoimento na tarde desta segunda-feira (25/2), na 16ª Delegacia de Polícia, na Barra, na zona oeste. Elaine foi espancada durante quase quatro horas, em sua casa, durante um encontro com o estudante de direito Vinícius Serra, de 27 anos, no sábado retrasado. Em entrevista ao Fantástico (TV Globo), na noite de domingo, ela afirmou que pode ter sido vítima de uma vingança.

“Em algum momento ele falou pra mim: (…) ‘Eu tenho um amigo que quer muito se vingar de alguém e ele pensa em matar essa pessoa. Nossa, meu amigo tá muito bravo! Ele quer realmente matar. O que você acha disso?’ Eu falei: ‘Nossa, que conversa, né? Que conversa mais louca'” . Elaine afirmou ainda que uma agressão como a que sofreu não pode ter sido “gratuita”.

“Não sei por que, mas eu achei muito estranho. Qual motivo de uma pessoa fazer isso gratuitamente? Eu não faço mal para ninguém. Deve ter algum motivo. Eu achei essas perguntas dele estranhas, por que ele ia perguntar isso? E por que ele fez isso comigo? Não sei. Talvez alguma rixa, não é? Mas não posso afirmar que seja isso. Tem que ser investigado porque eu acho que é uma agressividade gratuita, ele quase me matou, eu quase morri”, afirmou.

Elaine foi casada com Ryan Gracie, lutador de jiu-jitsu morto em 2007. Ela é mãe de Rayron Gracie, que também é lutador. Nos perfis de Vinícius nas redes sociais, ele é identificado algumas vezes como lutador de jiu-jitsu. Circula a história de que Vinícius teria sido expulso de uma academia da família Gracie e teria agido por vingança. Ele é conhecido no meio pelo temperamento violento e tem um registro policial de agressão ao próprio irmão.

Na entrevista ao Fantástico, a paisagista contou ainda que acredita ter sido drogada por Vinícius. Segundo ela, logo depois que ele chegou ao apartamento e os dois começaram a tomar vinho, ela se sentiu alterada e perdeu os sentidos. Quando acordou de madrugada ele já a estava agredindo.
Vinícius foi preso em flagrante, depois que um porteiro ouviu os gritos de socorro de Elaine e chamou a polícia. A paisagista passou uma semana no hospital e teve alta na última sexta-feira (22/2).

Neste 2019, o Metrópoles inicia um projeto editorial para dar visibilidade às tragédias provocadas pela violência de gênero. As histórias de todas as vítimas de feminicídio do Distrito Federal serão contadas em perfis escritos por profissionais do sexo feminino (jornalistas, fotógrafas, artistas gráficas e cinegrafistas), com o propósito de aproximar as pessoas da trajetória de vida dessas mulheres.

O Elas por Elas propõe manter em pauta, durante todo o ano, o tema da violência contra a mulher para alertar a população e as autoridades sobre as graves consequências da cultura do machismo que persiste no país.

Desde 1° de janeiro, um contador está em destaque na capa do portal para monitorar e ressaltar os casos de Maria da Penha registrados no DF. Mas nossa maior energia será despendida para humanizar as estatísticas frias, que dão uma dimensão da gravidade do problema, porém não alcançam o poder da empatia, o único capaz de interromper a indiferença diante dos pedidos de socorro de tantas brasileiras.

Últimas notícias