Cristalina: jovem que estuprou e matou adolescente premeditou crime

Autor contou na delegacia que desejava matar a vítima após ser rejeitado e ficou de tocaia depois de passar dias planejando o crime

Foto cedida ao MetrópolesFoto cedida ao Metrópoles

atualizado 08/08/2019 8:46

Investigadores da Polícia Civil de Cristalina (GO), no Entorno do Distrito Federal, ficaram chocados com a frieza do adolescente de 17 anos acusado de estuprar e matar a facadas a jovem Amanda dos Santos Silva (foto em destaque), 15, na tarde de sexta-feira (02/08/2019). O menor confessou que premeditou todos os detalhes do crime e que seu desejo era, de fato, tirar a vida da garota que havia se recusado ter um relacionamento com ele.

Em depoimento na delegacia, o adolescente, que morava no mesmo lote da vítima, contou que ficou de tocaia até Amanda passar pela rua, para depois ameaçá-la com um facão e depois cometer a barbárie contra a jovem. O corpo da jovem foi enterrado na manhã de terça (06/08/2019), no cemitério da cidade distante a 130 quilômetros do DF.

De acordo com o suspeito, após render a garota e levá-la a um dos cômodos da casa onde ele morava, no povoado de Marajó, a cerca de de 50km do centro de Cristalina, o adolescente tomou comprimidos de Rohypnol e também obrigou a vítima a ingerir o medicamento. “Desde então, ele disse não se recordar dos momentos do estupro e do assassinato, mas confirmou que desejava a morte dela por ter sido rejeitado e jurou que ia matá-la. Quando foi apreendido, estava sob forte efeito da droga”, disse o delegado de Cristalina, Fabiano Medeiros.

O crime chocou os moradores da cidade goiana, que ainda tentaram linchar o suspeito antes da chegada de viaturas da Polícia Militar. Momentos antes do crime, o pai de Amanda, Francisco Alves Leitão da Silva, 37, que é cadeirante, ouviu os gritos de agonia da filha, mas, em razão de sua imobilidade, não conseguiu arrombar a porta.

Instantes depois, dois vizinhos o ajudaram e invadiram o cômodo, onde encontraram a adolescente já nua e ensanguentada. “O pai da vítima gritou para que cessassem as agressões, mas foi ignorado”, consta na ocorrência policial.

O menor será transferido nesta quinta-feira (08/08/2019) para o Centro de Atendimento Socioeducativo de Goiânia. Ele responderá pelos atos infracionais análogos aos crimes de feminicídio e estupro. Poderá ficar apreendido por até três anos.

Veja fotos da vítima:

Um texto de despedida escrito pelo autor do ato infracional confirma que ele premeditou o crime. Apesar de nas mensagens garantir que tiraria a própria vida, ele não cumpriu a promessa.

Neste 2019, o Metrópoles iniciou um projeto editorial para dar visibilidade às tragédias provocadas pela violência de gênero. As histórias de todas as vítimas de feminicídio do Distrito Federal serão contadas em perfis escritos por profissionais do sexo feminino (jornalistas, fotógrafas, artistas gráficas e cinegrafistas), com o propósito de aproximar as pessoas da trajetória de vida dessas mulheres.

O Elas por Elas propõe manter em pauta, durante todo o ano, o tema da violência contra a mulher para alertar a população e as autoridades sobre as graves consequências da cultura do machismo que persiste no país.

Desde 1° de janeiro, um contador está em destaque na capa do portal para monitorar e ressaltar os casos de Maria da Penha registrados no DF. Mas nossa maior energia será despendida para humanizar as estatísticas frias, que dão uma dimensão da gravidade do problema, porém não alcançam o poder da empatia, o único capaz de interromper a indiferença diante dos pedidos de socorro de tantas brasileiras.

 

 

Últimas notícias