Viver de luz? Entenda o respiratorianismo, nova dieta das influencers

Corrente ganhou força após influencer americana declarar que, há oito meses, vive apenas de luz, respiração e alimentos líquidos

UnsplashUnsplash

atualizado 02/08/2019 20:17

Luz, respirações pausadas e alimentos líquidos. Essa é a base da alimentação da influencer americana Audra Bear, que garante não ingerir carne ou nenhum outro alimento sólido por períodos de 100 dias.

O pior? Ela não está sozinha. Encontra respaldo dessa “desintoxicação” em uma técnica chamada pranic healthing, ou cura prânica, em tradução literal. A prana seria algo como a energia da vida, e poderia ser obtida por meio de tudo que está ao redor.

A tradição fez muito sucesso nos Estados Unidos na década de 1980 e, agora, ensaia um retorno, impulsionado por postagens em redes sociais como as da jovem.

Aos 25 anos, Audra alega que testou várias dietas, inclusive o veganismo. Em nenhuma delas teve sucesso.

Até que, finalmente, decidiu virar breatharian, uma espécie de vegetariana que vive apenas de luz e vegetais, que se transformam em sucos, chás e smothies. Ao jornal Metro, do Reino Unido, ela afirmou: “Há algo mágico em adquirir essa consciência. Controlar a respiração me colocou frente a frente comigo.”

Embora não haja nenhum respaldo médico para ter tomado essa atitude, Bear virou uma espécie de “guru” da dieta. O método inclui pelo menos 40 minutos de exercícios de respiração diários. Ela ensina variações em postagens no Instagram. Em oito meses, garante ter perdido 15 quilos.

Perigos

Segundo a nutricionista Simone Cunha Rocha, o processo de emagrecimento nunca deve se basear em “vale tudo”. “Ganhar peso é um processo, e perder também deve ser. Essa busca em emagrecer rapidamente, sobretudo se motivada por modismos, é perigosa”, alerta.

“É muito comum ver pessoas desencadeando depressão após dietas como essa. Um dos principais componentes dos neurotransmissores são os carboidratos e, geralmente, é o primeiro grupo alimentar a ser cortado. Quando eliminamos esse ‘substrato’ dos neurônios, corremos o risco do efeito ioiô e da compulsão por doces”, complementa.

A especialista até concorda que prestar atenção ao processo respiratório é algo saudável. Mas ninguém deve fazê-lo pensando, apenas, em pontos a menos na balança.

“Respirar calmamente nos coloca em sintonia com o corpo. Quando respiramos bem, diminuímos a ansiedade, trabalhamos os músculos do abdômen e nosso intestino funciona melhor. A respiração, de fato, está ligada a várias atividades do organismo, e é ótimo quando essa troca gasosa é eficiente”, orienta.

O principal sinal de alerta e vilão do respiratorianismo é outro: a dieta líquida. “Ela quase sempre é pobre em densidade calórica e em proteínas. É uma estratégia que utilizamos em certos momentos fisiológicos, como antes de cirurgias ou em pacientes que passaram por algum procedimento”, afirma a especialista em alimentação.

E quanto ao poder da energia solar? “E o sol é, de fato, a maior fonte de vitamina D que temos. É importante para o corpo como um todo. Mas não faz emagrecer”, finaliza.

Se a ideia é mudar os hábitos, vale mais recorrer a um profissional que a @’s de Instagram.

Últimas notícias