*

Intenção de muitas pessoas, a perda de peso é o resultado de atividades físicas, dieta balanceada e força de vontade. Nesse cenário, é cada vez mais comum optar por produtos que parecem “fit”, mas não são tão saudáveis assim.

“A dieta deve ter equilíbrio e conter todos os nutrientes necessários para cada uma das funções do corpo, além de ser específica para cada pessoa”, explica a nutricionista Ione Leandro.

De acordo com a profissional, atualmente, muitos alimentos que possuem aspecto saudável, são, na verdade, os vilões da reeducação alimentar: “É importante saber o que compõe cada alimento, principalmente os industrializados. Portanto, escolha produtos com opções livres de estabilizantes, corantes, conservantes, emulsificantes. Atente-se, também, para a presença de açúcar com os nomes de sacarose, glicose, frutose, maltodextrina, melaço e xarope de milho”.

Abaixo, a especialista indica sete alimentos que fazem esse papel. Confira:

iStock

Barra de cereais – apesar de ser opção de lanche rápido, as barrinhas não devem ser ingeridas à vontade. “As opções industrializadas contêm alto teor de açúcar, e algumas são produzidas com chocolate e cereais de alto índice glicêmico, como flocos de milho e arroz”, explica Ione Leandro

 

iStock

Frutas secas e oleaginosas – a ingestão desses alimentos ajuda a cuidar da saúde do coração, prevenir o envelhecimento precoce e auxiliar na perda de peso, mas o consumo exagerado pode causar efeito reverso e acumular gordura. “O ideal é consumir 30g por dia, o equivalente a uma castanha do Pará, duas de caju, cinco amêndoas, metade de uma noz e uma castanha, por exemplo”

 

Michael Melo/Metrópoles

Pães integrais – esse tipo de alimento contém mais fibras e nutrientes e, por isso, promovem sensação de saciedade por mais tempo. “É necessário uma quantidade mínima de farinha e grãos integrais para que se encaixe nessa categoria. Uma dica legal para saber se o pão é realmente integral é ver qual ingrediente vem em primeiro na lista, pois é o que tem em maior quantidade no produto”, ressalta a especialista

 

iStock

Chocolate diet – muita gente acha que as opções diets ajudam na dieta, mas esses produtos são indicados para pessoas que têm restrição no consumo de açúcar. Geralmente, possuem maior quantidade de gorduras, tornando o produto mais calórico

 

Thamires Gomes Santiago/Especial para o Metrópoles

Granola – mistura de frutas secas, grãos, cereais e castanhas, a granola promove energia e ajuda no funcionamento do intestino, porém é um alimento calórico. “Prefira comer no café da manhã, com uma média de 25g por dia”, explica

 

iStock

Gelatina – considerada uma opção saudável de sobremesa, as gelatinas não possuem muitas calorias e são fontes de colágeno. No entanto, é necessário consumir com cautela, pois o alimento contém níveis de açúcar, aromatizantes e corante

 

iStock

Embutidos – muito comum no cardápio de quem faz dieta, o peito de peru ou de frango são opções que contêm menos calorias do que salame e mortadela, por exemplo. “Por serem alimentos industrializados, são ricos em sódio e conservantes. Essas substâncias não devem ser consumidas em excesso, pois podem afetar a saúde”, finaliza Ione