Brincadeira fatal: médicos enumeram razões para abandonar slime

Após a geleca levar uma menina de 8 anos para a UTI, o Metrópoles destaca mitos e verdades que rondam a brincadeira

Tara Moore/Getty ImagesTara Moore/Getty Images

atualizado 25/10/2019 14:06

O caso de uma menina de 8 anos viralizou na web e reacendeu o debate sobre o potencial nocivo do slime. A pequena foi internada na unidade de tratamento intensivo (UTI) de um hospital de Brasília com fortes dores abdominais e manchas na pele. Os sintomas foram atribuídos a uma intoxicação por ácido bórico, substância presente em um dos componentes da geleca de fabricação caseira.

O episódio gerou uma série de dúvidas. Para destacar mitos e verdades que rondam a polêmica brincadeira, o Metrópoles escalou a pediatra Nathália Sarkis e o gastropediatra Henrique Gomes. De antemão, os especialistas afirmam que a “massinha” pode ser, de fato, prejudicial à saúde. Em coro, recomendam a abolição dessa modinha, comum em milhares de lares.

O contato direto com as substâncias do slime pode levar uma criança a óbito? 
Verdade. Alguns componentes químicos da geleca, como bórax e água boricada, podem ser nocivos quando absorvidos pelo organismo por via oral, respiratória ou cutânea. A criança que se expor a altas concentrações dessas substâncias pode, por exemplo, ter insuficiência renal grave ou broncoespasmo fatal.

A geleca tem preocupado profissionais da saúde?
Verdade. Há queixas frequentes de sintomas relacionados aos componentes químicos do slime. A mais comum delas é a de dermatite por contato, principalmente na região das mãos. Vale ressaltar, porém, que os sintomas variam de paciente para paciente. Há quem brinque todo dia e não sinta nada. Há quem brinque uma vez e desenvolva reações alérgicas.

Fabricar a “massinha” em casa é mais seguro do que comprar fórmula pronta?
Mito. Fabricar em casa pode ser ainda mais prejudicial, devido ao contato direto com as substâncias químicas.

Componentes da receita podem causar crises de asma?
Verdade. Alguns ingredientes têm evaporação rápida e, ao serem inalados, podem afetas as vias respiratórias.

Existem maneiras de brincar de forma segura?
Mito. O recomendado é que as crianças escolham uma nova brincadeira.

Últimas notícias