*

Antonia Fontenelle, mais uma vez, foi às redes sociais para desabafar sobre o caso da herança do ex-marido, Marcos Paulo. A apresentadora disse se sentir perseguida, humilhada e revelou que, por culpa de Flávia Alessandra, ex-mulher e mãe de uma das filhas de Marcos, ela não consegue emprego na TV Globo.

“Uma vez, um diretor da TV Globo falou: ‘Eu morro de medo de te chamar para trabalhar porque não sei quem protege a Flávia aqui dentro. Tenho medo que sobre para mim’. Tem gente que não me chama para trabalhar porque sabe que dona Flávia Alessandra tem um protetor forte na TV Globo. Estou me referindo à TV Globo, mas muita gente não me chama para trabalhar por causa dessa confusão toda”, desabafou no Stories do Instagram.

A batalha pela herança está na Justiça desde o falecimento do diretor, em 2012. Na época, Fontenelle era esposa de Marcos Paulo. Agora, batalha para ser reconhecida como herdeira ao lado das três filhas dele.

Nessa segunda-feira (4/6), a ministra Maria Isabel Galloti, do Superior Tribunal de Justiça (STJ), negou o reconhecimento da apresentadora como herdeira, mas Antonia disse que não desistirá da batalha e irá recorrer da decisão.

“A ministra sabe muito bem que eu era esposa do Marcos Paulo. Nesse país tem uma lei que diz ‘a esposa tem direito a 50%’. Então, independentemente do papel que leu e que ela entende que não serve, ela sabe que, por lei, sou herdeira do Marcos Paulo”, justificou.

A loira disse que perseguição e humilhação são os seus dois sentimentos mais comuns diante de todo o processo. “Me sinto perseguida desde que meu marido morreu. Aliás, me sinto perseguida desde que o Marcos Paulo me deu a mão e falou ‘Antonia é minha mulher'”, desabafou a apresentadora. “Depois da morte dele, esse sentimento de perseguição veio com o de humilhação. Que é como me sinto, humilhada. É uma sensação muito ruim, não dá para explicar”.

Mas Fontenelle garantiu que irá lutar pela sua parte da herança até o fim. “Não para mim, mas por mim e pelo o que me é de direito. Me deixem em paz, pelo amor de Deus. Me deixem viver. Me deixem trabalhar. O que vocês vão fazer com o meu dinheiro? A ideia é me esculachar, né? Desistam! Não vou permitir que vocês me esculachem”, disse.

Para ela, é uma questão de honra, e não de dinheiro. “Não vai mudar muito o curso da minha vida porque nunca fui rica. Sempre fui rica de saúde, de caráter e de dignidade. Sustento os meus filhos, trabalho para caramba. Infelizmente, se [a Justiça] entender que não tenho direito, não poderei ajudar tantas pessoas quanto eu gostaria de ajudar”, explicou, acrescentando que as filhas de Marcos tampouco precisam do dinheiro, pois são “bem de vida”.