*
 

Professores da Faculdade de Medicina de Botucatu-Unesp (FMB) desenvolveram uma nova técnica cirúrgica para reverter a impotência. E os resultados são promissores.

De acordo com o professor Fausto Viterbo, da disciplina de cirurgia plástica, especialista em microcirurgia de nervos periféricos e um dos docentes responsáveis pelo método, cerca de 40 homens já foram operados pela equipe. Até o momento, os dados apontam que 60% dos pacientes tiveram melhora completa, com retomada da ereção e penetração, em média, 13 meses após a cirurgia. Os outros 40% vêm apresentando sinais progressivos de recuperação.

A cirurgia é realizada em homens submetidos a tratamento para corrigir os casos de disfunção erétil, que podem causar impotência sexual em cerca de 20% a 50% dos pacientes, como resultado da prostatectomia radical (a retirada da próstata) em casos de câncer.

A técnica consiste em fazer uma nova ligação entre o nervo femoral (na raiz da coxa) com os corpos cavernosos e com os nervos dorsais do pênis, mediante enxertos de nervos surais, retirados de ambas as pernas.

Além de Fausto Viterbo, os outros docentes envolvidos no estudo são: José Carlos Souza Trindade, urologista e coordenador do Projeto de Reinervação Peniana, José Carlos Souza Trindade Filho, do Departamento de Urologia da FMB; André Petean Trindade, do Departamento de Radiologia, e Wagner Fávaro, do Departamento de Anatomia do Instituto de Biociências da Unesp, atualmente na Unicamp.

Devido aos resultados positivos, a técnica foi premiada na 37ª Jornada Carioca de Cirurgia Plástica, realizada no último mês de agosto, no Rio de Janeiro.