*
 

Uma pessoa com albinismo não produz melanina — o pigmento dá cor à pele, aos cabelos, pelos, olhos. Apenas uma em cada 20 mil pessoas no planeta possui a condição genética (que não é doença) e acaba se destacando na multidão. Sem melanina, a pele fica muito branca e os cabelos são, na maioria das vezes, da mesma tonalidade, assim como todos os pelos do corpo. Já os olhos podem ser acastanhados, mas normalmente são rosados. Sem cor, o que se enxerga é um reflexo do fundo do olho, por onde passam vasos sanguíneos.

Para evitar agressões, bullying e discriminação, a Organização das Nações Unidas (ONU) tornou o dia 13 de junho o Dia Mundial da Conscientização do Albinismo. Em alguns países, os portadores da condição são sujeitos à mistificação e ataques. Algumas culturas costumam até fazer poções ou amuletos com partes de seus corpos. No Brasil, um dos problemas recorrentes é a associação à deficiência mental.

“São pessoas que acabam se retraindo muito por conta do bullying e até pela diferença na aparência — por isso, acabam tendo um comportamento distante dos agrupamentos sociais. Muita gente também acredita que é uma doença contagiosa. É importante salientar: não há nenhum tipo de transtorno psicológico, são pessoas normais e o único problema é para elas mesmas”, afirma a dermatologista Shirlei Moreira, da Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD).

Sem melanina, os portadores de albinismo ficam sem qualquer proteção contra os raios ultravioleta, já que o pigmento é produzido mediante necessidade. Shirlei explica que a falta de cuidado pode levar à cegueira, fotoenvelhecimento da pele e desenvolvimento de câncer de pele em pessoas jovens. Por isso, a SBD promove, desde 2015, uma campanha de conscientização sobre a condição que serve de alerta aos albinos sobre a importância de se proteger.

Além do uso de filtro solar, é essencial evitar a exposição ao sol nos períodos de pico, usar roupas de trama fechada e tecidos pesados que funcionam como proteção. Os óculos precisam obrigatoriamente ter um filtro contra os raios UV e o uso de chapéus e sombrinhas é encorajado.

 

 

COMENTE

Saúdealbinismodia conscientização albinismo
comunicar erro à redação

Leia mais: saúde