Cuidados na firma: como serão os escritórios após a pandemia de coronavírus

O distanciamento entre profissionais no escritório é uma das estratégias para evitar a propagação da Covid-19

atualizado 17/06/2020 11:42

notebook e máscaraEdward Jenner/Pexels/Reprodução

Apesar do novo coronavírus continuar contaminando milhares de pessoas por dia, muitas profissões retornaram às atividades presenciais. Nos ambientes corporativos, cuidados preventivos, como uso da máscara e higienização constante das mãos, prosseguem como medidas essenciais para conter o avanço da doença. No entanto, outras ações precisam ser reforçadas.

De acordo com Sérgio Borges, especialista em arquitetura corporativa, a pandemia da Covid-19 transformou as perspectivas arquitetônicas sobre os escritórios. Segundo ele, até três meses atrás, se debatia a integração e o conforto dos funcionários, facilitando a troca de informações e o trabalho conjunto. Agora, a nova perspectiva é baseada na segurança e na saúde das pessoas, que, ao saírem de casa, já estão sob o risco de contaminação.

“Por mais que a vacina saia hoje, o conceito mudou. O ambiente não precisa ser só seguro, tem que parecer seguro. Caso contrário, a pessoa não conseguirá se concentrar porque estará pensando se aquele lugar é limpo o suficiente”, argumenta o arquiteto.

Para Maria Paula Zajar, gerente de produto sênior da Herman Miller (empresa americana de móveis e equipamentos de escritório e móveis para casa),  a preocupação dos gestores em trazer os colaboradores de volta para os espaços de trabalho deve visar proteções físicas e mentais.

“Segurança é uma necessidade humana e influencia diretamente no bem-estar de cada um dos indivíduos”, assegurou a gerente, em comunicado à imprensa.

O distanciamento entre profissionais no escritório é uma das estratégias para evitar a propagação da Covid-19, que se alastra, sobretudo, por meio do contato próximo entre pessoas.

De acordo com o Centro de Prevenção e Controle de Doenças dos Estados Unidos (CDC), as gotículas respiratórias produzidas por tosse, espirro ou fala de uma pessoa infectada podem pousar na boca ou no nariz de pessoas próximas, contaminando-as.

Sérgio Borges explica que os investimentos serão direcionados para equipamentos que não precisem do toque para funcionar, como sistemas controlados por sensores de movimento. Além disso, superfícies lisas e com materiais antimicrobianos também entram em voga devido à facilidade da higienização.

“Precisamos ter os mecanismos que dificultem a transmissão, porque não temos como garantir que as pessoas não vão se contaminar no trabalho”, afirma.

0
O que fazer

Para os colaboradores que precisam retornar ao escritório no momento atual, a recomendação da Organização Mundial da Saúde (OMS) é higienizar com desinfetante as mãos e objetos constantemente. Além disso, evitar o contato físico com outras pessoas e permanecer de máscara durante todo o expediente. A proteção deve ser trocada de três em três horas ou quando a pessoa perceber que a máscara está úmida.

Ana Helena Germoglio, infectologista do Hospital de Águas Claras, explica que a máscara descartável não pode ser reutilizada. Logo, ao fim das três horas de uso, deve ser jogada no lixo. Já as máscaras de tecido podem ser colocadas em um saquinho e lavadas em casa.

Gestores

Os gestores, por outro lado, precisam se preocupar com outras questões do ambiente de trabalho, como o fluxo de pessoas e os cuidados com a limpeza do local. Com base no “Guia Rápido com sete pontos de atenção para a volta aos escritórios”, da SK Borges Arquitetura Corporativa, o Metrópoles selecionou oito medidas para uma volta segura aos escritórios. Confira:

  • Garanta que todos os colaboradores recebam informações de como se proteger e como devem agir no caso de apresentarem sintomas da Covid-19;
  • Os colaboradores que estão no grupo de risco devem ser orientados a trabalhar de casa, sem exceções;
  • Mantenha álcool gel e uma caixa de lenços descartáveis no elevador e estabeleça um limite de pessoas por vez, de, no máximo, a metade da capacidade;
  • Aplique, no piso do hall dos elevadores, marcação de posição de espera para as pessoas não descuidarem do distanciamento enquanto aguardam o elevador;
  • Defina horários diferentes para entrada e saída da empresa, diminuindo o fluxo na porta principal;
  • Confira a temperatura de todas as pessoas que entram na empresa. Acima de 37.8 graus, segundo recomendações dos profissionais de saúde, a pessoa deve ser orientada a voltar para casa e observar se o sintoma persiste;
  • A recepção da empresa pode ser transformada em uma área de higienização, antes da entrada para as demais dependências do escritório, com disponibilização de álcool gel, lenços e máscaras descartáveis;
  • Mantenha as mesas livres de itens não essenciais para o trabalho, para que a higienização seja mais rápida e eficiente.

Últimas notícias