Conheça a detox power, massagem que promete desintoxicar o organismo

O pacote completo, com uma semana de desintoxicação, pode alcançar valores de até R$ 3.500

atualizado 22/06/2018 12:39

IStock

Uma nova técnica de massagem acaba de chegar ao Brasil e tem gerado burburinho nas redes sociais. Com a promessa de desintoxicar o organismo, reduzir medidas e tratar a pele, a detox power une os conhecimentos milenares da Índia com ervas, óleos especiais, movimentos da massagem modeladora e um programa alimentar personalizado.

A técnica foi desenvolvida pela terapeuta Renata de Abreu. A especialista em Ayurveda – filosofia médica oriental desenvolvida no país asiático há milhares de anos – reuniu os conhecimentos adquiridos ao longo da carreira para criar o detox power, lançado no início do ano em Miami e há dois meses no Brasil.

Segundo Renata, a massagem tem como foco o estimulo dos sistemas linfático e digestivo, o que potencializa a eliminação de toxinas e o funcionamento do intestino.

Os interessados podem escolher entre dois programas. O primeiro e mais simples, consiste em sessões isoladas de massagem com duração de uma hora e 30 minutos a R$ 300, em média. O segundo é um detox completo, que leva de cinco a sete dias. Nesta opção, o cliente recebe massagens diárias, todas as refeições que irá consumir no período e procedimentos da Ayurveda (limpeza nasal ou aplicação de uma máscara desintoxicante).

Em Brasília, há três profissionais que garantem o resultado. A massagista terapêutica da Laddove Cabelo e Maquiagem, Rosângela Silva, é uma delas e explica que o foco é a desintoxicação via intestino.

 

Passo a passo
Ao chegar, o estasiano – como são chamados os clientes – é recebido com o Detox Power Elixir, um shot com ingredientes que atuam na eliminação de toxinas no organismo. Depois, a pessoa segue para um momento zen. “O objetivo aqui é que ele tenha um momento de paz para liberar as angústias do pensamento”, ressalta Rosângela.

Em seguida começa a escovação manual da pele, feita com uma luva especial de lã para esfoliar e retirar as toxinas do tecido adiposo e possíveis foliculites.

A terapeuta faz a aplicação de óleo castor no abdome para que a barriga faça a sucção natural do produto. O óleo é enriquecido em Triphala, poderosa erva indiana que auxilia os processos de emagrecimento e eliminação.

“Aqui o objetivo é limpar o intestino, fazer com que o estasiano tenha um distúrbio digestivo mais rápido. Há casos em que a pessoa evacua até quatro vezes ao mesmo dia”, ressalta. Essa etapa termina com o envolvimento de papel filme na barriga por 45 minutos para aquecer a região.

Por fim, a terapeuta faz a massagem abhyanga, que alia técnicas de drenagem à modeladora por 50 minutos, sem uso de equipamentos mecânicos, apenas com as mãos. A intenção é potencializar a circulação linfática, com foco nos meridianos do intestino e do fígado. Ao final, o cliente degusta um chá.

 

Uma semana de desintoxicação
Há também quem opte pelo programa completo. Em Brasília, quem oferece o serviço é a fisioterapeuta Andressa Aguzzoli (os valores começam em R$ 2.800 e podem chegar até a R$ 3.500).

Para começar é preciso responder um questionário para identificação da dosha – um perfil com questões físicas e psicológicas –. As respostas dão ao terapeuta informações quanto ao estado emocional, alimentação, sono, práticas diárias e funcionamento do intestino, por exemplo. Com esse conhecimento em mãos, o profissional cria a dieta semanal com alimentos naturais e orgânicos.

O cliente recebe ainda um kit para fazer parte dos procedimentos em casa. A primeira orientação é logo após acordar, fazer um bochecho com óleo de coco a fim de facilitar a limpeza da língua. Depois é hora de raspar a mesma e retirar a saburra, camada esbranquiçada do músculo, eliminar as células descamadas e restos de alimento e bactérias. Só então, a pessoa dará início a dieta natural e desintoxicante para manter o equilíbrio do corpo.

O método não é recomendado para gestantes, pessoas com osteoporose, em tratamento contra o câncer, problemas de pele, feridas abertas, problemas cardíacos e circulatórios graves, infecções, febre e após refeições ou relações sexuais.

Últimas notícias