Alergia a cosmético? Veja como tratar e se você tem direito a troca

Diante de uma reação incômoda a um produto de beleza, a recomendação é suspender o uso e sair no prejuízo? Veja o que dizem especialistas

atualizado 31/05/2022 12:01

Getty Images

É possível que, após usar um produto de beleza novo, você já tenha sentido incômodo na pele. A euforia de testar a novidade pode vir acompanhada de vermelhidão, inchaço e coceira, sinais comuns de alergia a algum tipo de cosmético. A recomendação, então, é suspender o uso e ficar no prejuízo?

Os produtos de beauté estão entre as maiores causas de reações alérgicas, principalmente a dermatite de contato, segundo a médica alergista Mariana Bomfim. O problema pode surgir, inclusive, por conta de itens que você usa habitualmente. Esmaltes, lápis de olho, batom e tintura para cabelo estão entre os campeões de reclamações em consultório.

“A alergia a cosméticos depende da sensibilização do sistema imunológico a alguma substância. Ou seja, a pessoa entra em contato com o produto e, por algum motivo, há a ativação do sistema de defesa, desenvolvendo uma reação imunológica específica, o que resulta na alergia — e nas lesões”, explica a alergista do Hospital Anchieta de Brasília.

Publicidade do parceiro Metrópoles 1
Publicidade do parceiro Metrópoles 2
0

Sempre que entrar em contato com esse agente, o organismo apresentará uma resposta. Essa alergia pode ser resultado tanto de um componente do produto quanto de um uso inadequado.

“Por exemplo, usar um cosmético com indicação noturna durante o dia, ou até aplicar um creme depilatório e deixar por tempo maior do que o recomendado nas instruções”, alerta Rosana Lazzarini, dermatologista do departamento de alergia e dermatoses da Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD).

Identifiquei, de fato, a alergia. E agora?

Diante de um incômodo, a recomendação é suspender o uso. “Quando identificada a substância, é necessário eliminar o agente causador do ambiente em que vive o paciente. Nenhum medicamento substitui essa medida”, alerta Bomfim.

No entanto, a escolha também pode doer no bolso. Quem acabou de fazer a compra de um produto e teve alergia a algum componente tem direito a exigir a troca na loja? Para responder a questão, o Metrópoles consultou o advogado João Pedro Leite Barros, especialista em direito do consumidor.

Segundo o profissional, o primeiro passo é ler a embalagem do cosmético e identificar se estão disponíveis as informações referentes a uma eventual reação alérgica. “As advertências precisam estar descritas no produto no momento em que o consumidor for adquiri-lo”, frisa.

A seguir, certifique-se de que a reação alérgica é decorrente de alguma substância presente na composição do produto — em inconformidade com as regras da Anvisa —, ou se é uma questão individual do cliente.

“Se ela for resultado de um fator pessoal de quem teve a reação alérgica e não refletir qualquer espécie de defeito no produto, isso não implica responsabilidade por parte do fabricante”, elucida. Ou seja, não há direito a troca.

Apesar de não existir uma forma de antecipar uma eventual reação alérgica, o advogado alerta: é muito importante que o consumidor, ao adquirir um produto, leia atentamente o rótulo e veja se existe alguma substância que ele é alérgico ou não. 
Como se proteger

Nem sempre, a alergia pode ser causada por um produto novo. De acordo com a médica, o organismo pode começar a reagir a certa substância após entrar em contato com ela muitas vezes. Ou seja, uma tintura de cabelo que você está acostumado a usar pode se tornar um problema de uma hora para a outra.

Para evitar dores de cabeça, a médica ensina um truque: aplicar o cosmético na região anterior do antebraço e aguardar pelo menos 48 horas, a fim de verificar se haverá reação. Esteja sempre atento, procure produtos de qualidade e, quando possível, priorize produtos hipoalergênicos, que diminuem as chances de haver complicações.

Quer ficar por dentro das novidades de astrologia, moda, beleza, bem-estar e receber as notícias direto no seu Telegram? Entre no canal do Metrópoles: https://t.me/metropolesastrologia.

Mais lidas
Últimas notícias