Cânceres de cabeça e pescoço atingem 41 mil brasileiros por ano

A cada 10 casos da doença, oito são ocasionados por fumo e bebida alcoólica. Nariz, boca, face, laringe e faringe são as áreas mais afetadas

atualizado 09/04/2019 16:17

TefiM, Istock

O câncer de cabeça e pescoço atinge 41 mil brasileiros por ano, segundo dados da Sociedade Brasileira de Cirurgia de Cabeça e Pescoço (SBCCP). São tumores na cavidade nasal, seios da face, boca, laringe e faringe. De acordo com o Instituto do Câncer de São Paulo, oito em cada 10 diagnósticos é de fumantes ou ex-fumantes. Além do tabagismo, a bebida alcoólica é outro fator de risco para a saúde.

Janaína Jabur, médica oncologista da Aliança Instituto de Oncologia, em Brasília, explica que os sintomas dependem do local acometido. “Normalmente, o paciente sente alguma área endurecida ou uma ferida persistente, dolorosa e sangrante, que prejudica a fala e/ou a alimentação”, destaca. Outros sinais incluem aumento de ínguas no pescoço, dor na garganta, no ouvido ou na cabeça.

O tratamento varia. Há casos em que o paciente é submetido à cirurgia ou radioterapia, em outros casos também são indicados quimioterapia ou o uso de medicamentos. Em casos avançados, onde há presença de metástases, os médicos podem optar pelo tratamento com quimioterapia ou, mais recentemente, a imunoterapia.

A principal medida de prevenção do tumor é o controle dos fatores de risco, como a interrupção do tabagismo e o consumo exagerado de bebidas alcoólicas. A infecção pelo vírus HPV é outro fator de risco para tumores nessas partes do corpo, por isso, recomenda-se o uso de preservativos durante o sexo oral. Meninas a partir de 9 anos podem se vacinar gratuitamente contra HPV, para os meninos a vacina está disponível a partir dos 11 anos.

Mais lidas
Últimas notícias