metropoles.com

Teve Covid-19? Procure o cardiologista antes de voltar a praticar exercícios

Entidades brasileiras lançam documento com recomendações para quem já teve coronavírus. Comprometimento cardíaco é a maior preocupação

atualizado

Compartilhar notícia

Rafaela Felicciano/Metrópoles
Novas regras para academias durante a pandemia. Bebedouros, chuveiros e aulas coletivas estão liberadas. Academia Acua Fitness1
1 de 1 Novas regras para academias durante a pandemia. Bebedouros, chuveiros e aulas coletivas estão liberadas. Academia Acua Fitness1 - Foto: Rafaela Felicciano/Metrópoles

Enfrentar o coronavírus é um desafio, mas o pós-contágio também não é fácil. Perda de dentes, do olfato ou paladar são alguns dos efeitos colaterais observados após a infecção.

A saúde cardíaca é uma das principais preocupações de especialistas, já que cerca de 16% dos ex-pacientes com Covid-19 apresentam complicações cardiovasculares, de acordo com a Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC).

Pensando nisso, a Sociedade Brasileira de Medicina do Exercício e do Esporte (SBMEE) e a SBC lançaram um documento com orientações para o retorno ao exercício físico. As recomendações são voltadas tanto para atletas quanto para o público em geral.

Ainda não se sabe os efeitos da Covid-19 a longo prazo, mas especialistas já sabem que há complicações cardiovasculares importantes. Alterações eletrocardiográficas, nos níveis de troponina detectável (marcador que pode indicar infarto agudo do miocárdio) e achados anormais em ressonância magnética cardíaca foram detectados até cerca de 70 dias após o diagnóstico da doença.

As alterações surgiram mesmo em pessoas com sintomas leves e podem aumentar o risco de morte súbita. Por isso, os especialistas alertam: antes de voltar para a academia, a primeira providência deve ser marcar uma consulta com o cardiologista.

Exames físicos e eletrocardiograma são essenciais para avaliar a saúde cardíaca dos ex-pacientes. Para casos graves, outros exames complementares são recomendados, como dosagem de níveis séricos de troponina, teste ergométrico ou cardiopulmonar de exercício, ecodopplercardiograma e ressonância magnética cardíaca.

Também é preciso esperar ao menos 14 dias sem apresentar sinais da doença antes de se aventurar a voltar aos exercícios, para evitar a transmissão.

O retorno deve ser preferencialmente progressivo. Se tudo estiver bem, vale a recomendação da Organização Mundial da Saúde (OMS) à respeito da frequência e a intensidade do exercício: de 150 a 300 minutos por semana de atividades aeróbicas de intensidade média a alta – até uma hora de exercícios por cinco dias ou 40 minutos por sete dias.

Se por um lado ainda não há dados sobre como o exercício físico regular pode afetar a evolução da Covid-19, os benefícios da atividade física para a saúde do coração já são bem consolidados na ciência.

Sair do sedentarismo reduz a pressão arterial, os níveis de lipídios sanguíneos, a glicemia, alguns marcadores inflamatórios e hemostáticos, problemas associados a maior mortalidade em pacientes infectados pelo SARS-CoV2.

Já se sabe, ainda, que a prática regular em intensidade leve a moderada melhora a imunidade, o que pode colaborar para uma maior resistência ao vírus. No caso de uma eventual infecção, os exercícios ajudam o paciente a ter uma evolução mais favorável.

Indivíduos que fazem exercícios regulares, de forma geral, apresentam proteção contra viroses, com redução da incidência de infecções de vias aéreas superiores e evolução clínica superior à dos sedentários, inclusive com menos complicações, segundo o documento.

Compartilhar notícia

Quais assuntos você deseja receber?

sino

Parece que seu browser não está permitindo notificações. Siga os passos a baixo para habilitá-las:

1.

sino

Mais opções no Google Chrome

2.

sino

Configurações

3.

Configurações do site

4.

sino

Notificações

5.

sino

Os sites podem pedir para enviar notificações

metropoles.comSaúde

Você quer ficar por dentro das notícias de saúde mais importantes e receber notificações em tempo real?

Notificações