Remédio de pressão reduz mortes por Covid-19 entre hipertensos, diz estudo

Benefício foi encontrado em pacientes que já faziam uso de inibidores do sistema renina-angiotensina-aldosterona antes de contrair a doença

atualizado 24/08/2020 16:07

aparelho para aferir pressão altaMarcelo Leal/Unsplash

Cientistas da Universidade de East Anglia, no Reino Unido, afirmam que pacientes que já usavam remédios inibidores do sistema renina-angiotensina-aldosterona (RAAS) tiveram menos chances de serem internados na UTI, precisarem de suporte de oxigênio e morrerem por causa da infecção provocada pelo novo coronavírus.

A pesquisa foi publicada no Current Atherosclerosis Reports e partiu da revisão sistemática de 19 estudos já existentes sobre a relação entre o uso desses medicamentos e a infecção por Covid-19 – as pesquisas anteriores englobam dados de cerca de 28 mil pessoas. “Os pacientes com Covid-19 com pressão alta que estavam tomando medicamentos inibidores do RAAS apresentaram 0,67 vezes menos probabilidade de ter um resultado crítico ou fatal do que aqueles que não tomavam esses medicamentos”, afirmam os autores.

Os inibidores do RAAS estão entre os medicamentos para hipertensão mais usados. O achado da pesquisa é importante porque contraria uma suspeita inicial de que esses remédios pudessem facilitar o desenvolvimento de quadros graves de Covid-19.

O texto lembra, entretanto, que não foi possível determinar se começar o uso dos medicamentos ajuda no tratamento do coronavírus. A Sociedade de Cardiologia do DF recomenda que hipertensos que estão com a pressão controlada não alterem seus medicamentos.

Últimas notícias