Pazuello: vacina para Covid-19 será fabricada no Brasil até janeiro de 2021

Segundo ministro interino da Saúde, país já reservou os insumos necessários para garantir produção de pelo menos 30 milhões de doses

atualizado 21/07/2020 20:10

agulha com vacinaTalaj, Istock

Em entrevista coletiva concedida durante uma visita ao estado do Rio Grande do Sul, o ministro interino do Ministério da Saúde, o general Eduardo Pazuello, afirmou que o governo pretende começar a fabricação da vacina de Oxford em dezembro deste ano ou em janeiro de 2021.

“Estamos agora discutindo a transferência dos recursos do contrato feito pela Fiocruz e Bio-Manguinhos, e essa contratação prevê transferência de tecnologia e recebimento dos insumos para fabricação em grande quantidade”, disse Pazuello.

Segundo ele, a AstraZeneca, farmacêutica responsável pela produção da vacina, está negociando com o Ministério da Saúde as condições de pagamento pela tecnologia. “O tempo disso aí é no final do ano. A previsão é que, em dezembro ou janeiro, já estejamos fabricando a vacina. A solução é a vacina. Adquirimos a planta necessária para a produção e os insumos para fabricação de um lote de grande quantidade, 30, 40 milhões de doses. Isto já está pactuado”, afirmou o ministro interino.

Outras imunizações
De acordo com o general,  a vacina chinesa Coronavac, que também está sendo testada no Brasil, será usada para “complementar” as imunizações produzidas pela Fiocruz. Já a Moderna, criada nos Estados Unidos, usa uma tecnologia que ainda não é dominada no país e, por isso, Pazuello afirma que está sendo pactuada uma possibilidade de compra com prioridade.

0

Últimas notícias