OMS: varíola dos macacos cresce em ritmo rápido e chega a novos grupos

Em coletiva de imprensa, Tedros Ghebreyesus informou que diagnósticos positivos da monkeypox aumentaram 20% na última semana

atualizado 17/08/2022 13:53

retrato doutor tedros da oms, coloridoreprodução Twitter Organização Mundial da Saúde

O diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Tedros Adhanom Ghebreyesus, chamou atenção para o ritmo acelerado de crescimento dos casos de varíola dos macacos no mundo. Em coletiva de imprensa nesta quarta-feira (17/8), ele informou que 7,5 mil novos casos de monkeypox foram registrados no planeta na última semana, o que representa um aumento de cerca de 20% em relação à semana anterior, que também havia registrado aumento de 20% em relação à precedente.

De acordo com a OMS, a varíola dos macacos já se espalhou por 92 países, provocando 35 mil diagnósticos e 12 mortes. O Brasil é um dos países que têm “tendências preocupantes”, segundo destacou Rosamund Lewis, líder técnica da OMS no combate à varíola dos macacos.

“Vários países mostram tendências preocupantes e o Brasil é um deles. O número de casos continua a subir e é importante que medidas de prevenção sejam implementadas e que os indivíduos sejam informados de que precisam se proteger”, afirmou Lewis.

A maioria dos casos ainda se concentra entre homens que fazem sexo com homens. No entanto, a líder da resposta à monkeypox informou que há diagnósticos fora deste grupo, entre “homens que se dizem heterossexuais”, mulheres, adolescentes com idade de iniciação sexual e entre crianças com menos de 10 anos.

“Os homens que fazem sexo com homens são o grupo primário de risco, mas qualquer pessoa exposta ao vírus corre risco, seja em ambiente domiciliar ou de trabalho”, afirmou Lewis.

Eficácia das vacinas

O aumento global de casos fez com que a demanda por vacinas contra a monkeypox disparasse. A OMS alertou, entretanto, que as pessoas devem adotar outras medidas para se protegerem, uma vez que os estoques e os dados sobre a eficácia dos imunizantes contra a varíola dos macacos são limitados.

“As vacinas que temos agora são seguras, mas ainda não esperamos uma eficácia de 100%. Sabíamos desde o início que a vacina não seria a bala de prata. Temos que esperar até que ela gere uma resposta imunológica (para aumentar a eficácia contra a infecção)”, enfatizou Lewis.

Publicidade do parceiro Metrópoles 1
Publicidade do parceiro Metrópoles 2
Publicidade do parceiro Metrópoles 3
0

Transmissão para animais de estimação

Um artigo publicado na revista The Lancet, na quarta-feira passada (10/8), confirmou o primeiro caso de um cachorro com varíola dos macacos. A suspeita é de que o animal de estimação tenha sido infectado por seus tutores.

O diretor de emergências da OMS, Michael Ryan, afirmou não ser incomum que animais sejam infectados por vírus transmitidos por humanos – o mesmo foi visto com o coronavírus –, mas é importante fazer o monitoramento. “O caso comprova que o animal foi exposto ao vírus. Os animais de estimação não representam risco à população e as pessoas que têm animais devem protegê-los”, contou.

Receba notícias do Metrópoles no seu Telegram e fique por dentro de tudo! Basta acessar o canal: https://t.me/metropolesurgente.

Mais lidas
Últimas notícias