OMS: vacinação igualitária pode salvar 50 milhões de vidas até 2030

Organização lançou duas iniciativas para promover distribuição de doses, já que pandemia interrompeu 30% das campanhas de vacinação no mundo

atualizado 26/04/2021 15:19

Tedros Adhanom Ghebreyesus, Director-General of the World Health OrganizationPhoto: Sven Hoppe/dpa (Photo by Sven Hoppe/picture alliance via Getty Images)

A Organização Mundial da Saúde (OMS) anunciou o início da Semana Mundial da Vacinação, uma iniciativa criada para chamar a atenção a respeito da importância da imunização em todo o mundo, em coletiva de imprensa, nesta segunda-feira (26/4). Também divulgou a Agenda de Imunização 2030, uma estratégia global para evitar a interrupção de vacinações contra a Covid-19.

Tedros Adhanom, diretor-geral da OMS, destacou a importância de garantir que as pessoas sejam vacinadas não só contra a Covid-19, mas contra todas as doenças passíveis de prevenção, é uma das principais medidas para a preservação da vida. “O valor da vacina nunca ficou tão evidente e hoje começamos a Semana Mundial da Vacinação, em um momento em que a atenção do mundo está centrada nas vacinas como nunca antes”, detalhou.

Ainda que as vacinas sejam “as ferramentas mais transformadoras da história”, tendo praticamente erradicado doenças como a poliomielite e a difteria, a pandemia de Covid-19 interrompeu importantes campanhas de vacinação em várias partes do mundo, de acordo com Tedros. Segundo ele, os serviços de vacinação de rotina foram interrompidos em mais de um terço em 2021 em todo o planeta.

“Mais de 60 campanhas estão suspensas em 50 países, o que significa que mais de 228 milhões de crianças estão vulneráveis a doenças que podem ser prevenidas, como febre amarela, sarampo e poliomelite”, reforçou.

Ainda de acordo com o diretor-geral da OMS, mesmo antes da pandemia, praticamente 20 milhões de crianças não foram vacinadas contra qualquer doença existente. As lacunas na cobertura vacinal têm consequências no mundo real, como surtos de sarampo na República do Congo, Paquistão e Iêmen. “Se completamente implementada, a agenda poderá prevenir mais de 50 milhões de mortes até 2030, sendo 75% em países de baixa renda”, afirmou Tedros.

Na sexta-feira (30/4), a OMS lançará uma campanha para angariar fundos para a compra de vacinas para a Covax Facility, coalizão que visa a distribuição de imunizantes para países pobres mais vulneráveis economicamente.

Tedros chamou a atenção para a importância do engajamento de líderes mundiais, especialmente das comunidades em desenvolvimento, para que a estratégia da OMS seja bem sucedida. “Precisamos que os países implementem planos nacionais alinhados com a Agenda de Imunização 2030 e que as vacinas estejam disponíveis para todos”, disse.

Investidores, doadores, empresas e indústrias envolvidas no desenvolvimento das vacinas foram chamadas a ajudar na campanha. “Juntos poderemos recuperar os atrasos na vacinação e garantir que ninguém fique para trás, sem cobertura vacinal”, encerrou Tedros.

Vacinação igualitária

A Agenda de Imunização 2030 foi desenvolvida pela OMS em parceria com o Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) e outros parceiros. Henrietta Fore, diretora executiva da Unicef, explicou que, em 2020, a fundação distribuiu 2,01 bilhões de doses de vacinas, contra 2,29 bilhões no ano anterior. “Considerando o impacto dos lockdowns nas entregas das vacinas, foi uma conquista importante”, avaliou.

Além das doses, a Unicef entregou 912 milhões de seringas e instalou 834 mil câmaras frias para armazenamento de imunizantes em diversos países de baixa renda. “Na semana passada, a OMS disse que, de 990 milhões de doses administradas no mundo, mais de 80% foram em países de alta e média renda. Isso é injusto porque a Covid-19 é uma ameaça para todos, especialmente com as novas variantes.”

De acordo com Henrietta, o mundo precisa “aproveitar as lições da Covid-19” para mudar a realidade de má distribuição de vacinas, garantindo acesso universal a imunizantes de rotina e atenção à saúde primária. “Queremos que 2021 seja fundamental para as vacinas. Estamos em uma campanha mundial para garantir vacinas para todos. Não podemos trocar uma crise mundial por outra”, alertou.

Seth Berkley, CEO da Gavi Alliance (iniciativa criada por Bill e Melinda Gates), afirmou que um dos receios é que todo o avanço conquistado nos últimos 20 anos retroceda por conta da pandemia de coronavírus. “Precisamos de um movimento mundial para acessar essas comunidades que não estão vacinando suas crianças”, completou.

Para isso, uma das metas da Agenda 2030 é diminuir em 50% o número de crianças que não recebem nenhum tipo de vacina. “A Unicef, mediante a Covax, pretende enviar mais de 45 milhões de doses de vacinas a 120 países”, afirmou Berkley.

Veja como as vacinas contra a Covid-19 funcionam:

0

 

Últimas notícias