OMS: vacinas da Covax Facility para o Brasil dependem de disponibilidade

Segundo Ministério da Saúde, entre 10 e 14 milhões de doses fabricadas pelo consórcio serão entregues a partir do fim de fevereiro

atualizado 01/02/2021 15:02

Socorristas e enfermeiras do Samu, tomam vacina contra a covid-19 em sao paulo 16Fábio Vieira/Especial Metrópoles

No final de semana, a Organização Mundial de Saúde (OMS) enviou uma carta ao Brasil avisando que o país deve receber, a partir do final de fevereiro, entre 10 e 14 milhões de doses de vacinas contra a Covid-19. Os imunizantes serão distribuídos por meio da iniciativa Covax Facility, grupo criado pela entidade para garantir imunizantes a todos os países. Em entrevista coletiva nesta segunda-feira (1º/2), a entidade explica que esta é uma projeção, e depende da disponibilidade dos imunizantes.

“Precisamos ainda saber quantas doses estarão disponíveis, este é um indicativo”, afirma Mariângela Simão, vice-diretora-geral da entidade. Ela lembra ainda que é preciso negociar com o governo de cada país, e que só serão enviadas vacinas que foram aprovadas para uso emergencial pelas agências regulatórias locais.

No caso do Brasil, como a vacina da AstraZeneca já recebeu sinal verde da Anvisa, esta deve ser o imunizante enviado. Até o momento, foram aprovados o uso de 2 milhões de doses, que já estão sendo aplicadas. A OMS lembra ainda que o Brasil já tem um acordo bilateral com a empresa, o que será levado em consideração.

O diretor de emergências da OMS, Michael Ryan, pediu ainda que investidores interessados em agilizar o processo das vacinas procurem não só financiar novas doses, mas olhar para a logística de distribuição do seu país e como melhorar o plano de imunizações.

Veja, na galeria, como cada tipo de vacina funciona:

0

 

Últimas notícias