OMS suspende testes com cloroquina e hidroxicloroquina contra a Covid-19

O princípio ativo é defendido pelo presidente Jair Bolsonaro como uma das saídas para enfrentar a pandemia do novo coronavírus

atualizado 25/05/2020 18:11

comprimidos em fundo azulHAL GATEWOOD/UNSPLASH

O diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Tedros Adhanom Ghebreyesus, anunciou, nesta segunda-feira (25/05), que os testes com hidroxicloroquina e cloroquina nas pesquisas que são acompanhadas pela agência internacional foram suspensos. A decisão foi tomada depois que a revista The Lancet publicou um estudo sobre os riscos implicados no uso do remédio.

Segundo Tedros, uma pausa será adotada até que a segurança do medicamento seja avaliada com mais detalhes. Publicada na revista científica na última sexta-feira (22/05), a pesquisa acompanhou 96 mil pacientes e os resultados apontaram que, além de não apresentar eficácia comprovada para deter a infecção provocada pelo novo coronavírus, o remédio poderia estar relacionado a um aumento no risco de morte por problemas cardíacos, como arritmia.

A cloroquina é defendida pelo presidente Jair Bolsonaro como uma das saídas para enfrentar o novo coronavírus sem que o país adote medidas de isolamento social drásticas. Na semana passada, o Ministério da Saúde ampliou a recomendação de uso do medicamento para casos leves, apesar da falta de comprovação científica de sua eficácia. A insistência do presidente em relação ao remédio provocou a queda de Luiz Henrique Mandetta e Nelson Teich, ex-ministros da Saúde. O atual comandante da pasta, Eduardo Pazuello, não tem formação em medicina.

Últimas notícias