OMS aponta lista de desafios urgentes para a saúde até 2030

Entidade internacional enumera problemas, como as mudanças climáticas, que podem causar mortes no futuro se não controladas nesta década

DrAfter123/GettyImagesDrAfter123/GettyImages

atualizado 18/01/2020 20:15

Com a missão de pautar os países sobre assuntos relacionados à saúde, a Organização Mundial da Saúde (OMS) divulgou uma lista dos desafios mais urgentes do setor para a próxima década.

“Essa lista, desenvolvida com opiniões dos nossos especialistas ao redor do mundo, reflete uma profunda preocupação: os nossos líderes estão falhando em investir recursos suficientes em prioridades da saúde. Isso põe vidas e economias em risco”, diz o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus.

A ideia do levantamento é guiar os investimentos em saúde para evitar um cenário pior no futuro. O documento lembra que os países estão focados em se proteger de ameaças externas e internas, como o terrorismo, mas esquecem que algo pequeno como um vírus pode ser mais mortal do que qualquer disputa física. A OMS também enumera as providências que pretende tomar para mudar o cenário.

Todos os desafios da lista falam de saúde, mas é preciso um esforço conjunto da sociedade para saná-los: segundo a OMS, os próximos 10 anos serão a “década da ação”. “Não podemos arcar com o custo de não fazer nada. Governo, comunidade e agências internacionais precisam trabalhar juntas para alcançar as respostas”, escreve o diretor-geral, no documento preparado para anunciar o assunto.

Veja, na galeria, quais são os 13 desafios:

O porta-voz da OMS, Tarik Jašarević, explica, ao Metrópoles, que a entidade é uma plataforma global feita exatamente para intermediar algumas das discussões mais complicadas, como a do preço dos medicamentos. Segundo ele, essa não é uma questão importante só para países em desenvolvimento e todo o mundo precisa se engajar para encontrar uma resposta.

“Esse problema está se tornando rapidamente um dos maiores desafios para os sistemas de saúde no mundo inteiro. É hora de envolver a comunidade global para discutir e achar soluções realistas e melhorar a capacidade de compra. A maior barreira de acesso a novos e mais eficientes medicamentos é o preço, mesmo quando há evidência de que a fabricação não custa tanto assim”, afirma.

O porta-voz alerta ainda que países em desenvolvimento, como o Brasil, serão os mais afetados com as mudanças climáticas no futuro. A estimativa é que, em 2030, os custos de saúde subam para 2 a 4 bilhões de dólares por ano e, entre 2030 e 2050, 250 mil pessoas morram por ano em consequência do aquecimento global, seja por desnutrição, diarreia, malária ou problemas relacionados ao calor.

“Áreas com infraestrutura de saúde fraca serão menos capazes de sobreviver sem assistência”, diz. Por isso, a redução de emissão de carbono desde já é tão importante, e a missão da OMS neste ano é desenvolver padrões de políticas públicas para prevenir ou reduzir os riscos da poluição do ar para a saúde.

Fake news
Um dos desafios da lista é ganhar a confiança do povo. Sem acreditar nas fontes de informação clássicas, como a grande mídia e o governo, a população acaba caindo nas fake news – uma realidade bastante conhecida do brasileiro.

Para Jašarević , a construção de literatura médica e a educação em saúde são vitais para reverter o cenário. “Também há uma necessidade de autorreflexão: cientistas e a comunidade de saúde pública precisam melhorar em ouvir as comunidades às quais servem. Precisamos investir em sistemas de informação de saúde pública”, afirma.

Uma das saídas da OMS para esse cenário é investir na atenção primária, para garantir que a população consiga acessar serviços efetivos, baratos, ofertados por profissionais que se tornarão conhecidos do paciente.