Mito ou verdade: despejar cloro no ralo do banheiro previne dengue?

Mensagem que está circulando nas redes sociais traz informação de que medida seria adequada para evitar a proliferação do Aedes aegypti

MetrópolesMetrópoles

atualizado 02/07/2019 16:44

Está em circulação uma mensagem falsa informando que a Vigilância Sanitária pede que as pessoas despejem cloro nos ralos de suas residências duas vezes por semana para evitar a proliferação do mosquito da dengue, o Aedes aegypti.  Trata-se, entretanto, de um comunicado falso, de acordo com o Ministério da Saúde.

A medida não tem efetividade alguma, pois os ralos das residências não são locais que empoçam água pelo tempo necessário para o desenvolvimento do mosquito. “Para que uma larva se transforme em um mosquito, são necessários pelo menos seis dias em água parada”, explica o subsecretário de Vigilância e Saúde do DF, Divino Valero Martins. “O ralo é um local de água corrente, não representa potencial foco”, completa.

Os possíveis criadouros são locais onde a água empoça como vasos de plantas, pneus, garrafas plásticas, piscinas sem uso ou manutenção e, até mesmo, recipientes pequenos, como tampas de garrafas. “É necessário fazer uma varredura em casa e eliminar os prováveis criadouros. Em relação às plantas, uma solução possível é trocar a água toda semana ou colocar bastante terra no vaso, de modo que fique enlameado”, afirma.

Outras dicas para prevenir a dengue são usar roupas que minimizem a exposição da pele durante o dia, quando os mosquitos são mais ativos, usar repelentes e inseticidas seguindo as instruções do rótulo e instalar mosquiteiros em leitos de pessoas que dormem durante o dia, como bebês, pessoas acamadas e trabalhadores noturnos.

No DF, até o início de junho, 26 pessoas morreram por causa da doença e foram registrados cerca de 24 mil casos.

Últimas notícias