metropoles.com

Hipertrofia do miocárdio: entenda causa nº1 de morte súbita em atletas

Alteração genética é bastante comum e provoca o espessamento da parede do coração, aumentando o risco de arritmias e de paradas cardíacas

atualizado

Compartilhar notícia

Getty Images
*****Foto-pessoa-de-luva-segurando-coracao.jpg
1 de 1 *****Foto-pessoa-de-luva-segurando-coracao.jpg - Foto: Getty Images

Há pouco mais de um mês, a morte inesperada do empresário e triatleta amador João Paulo Diniz, aos 58 anos, chamou a atenção para a “dobradinha” exercícios físicos e saúde do coração.

Pai de João Paulo, Abílio Diniz conta em seu livro “Caminhos e Escolhas – o equilíbrio para uma vida mais feliz” que o filho tinha o diagnóstico de hipertrofia do miocárdio, uma doença cardíaca congênita relativamente comum. Mas afinal, o que é essa doença e quais riscos ela impõe para quem faz exercícios?

“A hipertrofia do miocárdio é muito mais comum do que imaginamos. Trata-se de uma alteração genética que nem sempre é diagnosticada na infância ou adolescência. A doença é silenciosa e a pessoa pode passar anos assintomática e descobrir apenas durante um check-up”, explica Leandro Echenique, cardiologista do esporte do Hospital Israelita Albert Einstein. Estima-se que que a doença atinja, em média, 1 a cada 500 nascidos vivos.

No entanto, o médico ressalta que o fato de a pessoa nascer com a alteração genética não significa que ela vai desenvolver a doença, que possui cerca de 1.500 mutações, com características diversas.

Segundo Echenique, a cardiomiopatia hipertrófica é caracterizada pelo espessamento da parede do músculo cardíaco e, consequentemente, pelo aumento do tamanho do coração. Assim, o coração fica sobrecarregado e mais suscetível a desenvolver arritmias graves e possíveis paradas cardíacas – daí a importância do check-up de rotina, especialmente para os amantes de esportes ou para quem já tem histórico familiar de morte súbita.

Comum em atletas

A morte súbita cardíaca ocorre de forma instantânea, inesperada, e é causada pela perda da função do músculo cardíaco. A incidência na população geral é baixa (em torno de 1%), mas a miocardiopatia hipertrófica é a principal causa de morte súbita entre atletas com menos de 35 anos de idade, justamente quando estão no auge da carreira.

É importante destacar que a prática de atividade física é um fator de proteção contra doenças cardiovasculares para a maioria da população. De acordo com Echenique, ela não é contraindicada para quem é diagnosticado com miocardiopatia, mas os exercícios precisam ser de intensidade leve a moderada e é necessário acompanhamento médico rigoroso.

“As pesquisas mostram que quem tem essa miocardiopatia tem maior risco de desenvolver arritmias que são induzidas pelo exercício. Há estudos que mostram que a doença está associada a casos de morte súbita durante a realização de exercícios de alta intensidade”, alerta Echenique. Por isso, o esporte competitivo ou profissional é vetado para pacientes com cardiomiopatia de alto risco.

Sinais e sintomas

A doença pode se manifestar com dor no peito que piora com a realização de exercícios; palpitação/disparo do coração; falta de ar após esforços simples e rotineiros (como subir um lance de escada, por exemplo) e até desmaios.

O diagnóstico é feito pelo exame físico e sintomas do paciente, mas é corroborado após a realização de exames como eletrocardiograma e ecocardiograma. Em alguns casos considerados mais complexos também é recomendada a realização de uma ressonância magnética do coração.

Após o diagnóstico, o tratamento é individualizado com uso de medicações para reduzir o surgimento das arritmias e de sobrecarga no coração. Uma minoria dos pacientes vai precisar de algum tratamento intervencionista ou cirurgia. Nos casos mais graves e com alto risco de morte súbita pode ser necessário o implante de um CDI (cardiodesfibrilador implantável) – um aparelho colocado por baixo da pele e que dá um choque no coração do paciente se houver uma parada cardíaca. (Fonte: Agência Einstein)

Compartilhar notícia

Quais assuntos você deseja receber?

sino

Parece que seu browser não está permitindo notificações. Siga os passos a baixo para habilitá-las:

1.

sino

Mais opções no Google Chrome

2.

sino

Configurações

3.

Configurações do site

4.

sino

Notificações

5.

sino

Os sites podem pedir para enviar notificações

metropoles.comSaúde

Você quer ficar por dentro das notícias de saúde mais importantes e receber notificações em tempo real?