Grávidas correm mais risco de sofrer infecção urinária. Como prevenir?

Durante a gestação, os rins ficam sobrecarregados e há maior acúmulo de urina na bexiga, o que favorece a proliferação de bactérias

atualizado 18/06/2019 14:08

grávida com as mãos apoiadas na barrigaFreestocks.org, Unsplash

A infecção urinária é a doença de maior incidência na gravidez, especialmente por todas as mudanças – não só hormonais mas também fisiológicas – que ocorrem no período. Apesar de comum, deve ser tratada de forma criteriosa, porque pode provocar o parto prematuro do bebê.

Na gravidez, há uma dilatação dos ureteres, que são as estruturas anatômicas que comunicam os rins com a bexiga, bem como uma diminuição da contração da bexiga e o aumento da eliminação de glicose na urina. Todos esses fatores favorecem para a proliferação de bactérias. “Com o sistema imunológico debilitado por causa da gestação, é comum que as grávidas desenvolvam infecções urinárias”, destaca a nefrologista e diretora da Clínica de Doenças Renais de Brasília (CDRB), Maria Letícia Cascelli.

O diagnóstico da infecção urinária durante a gravidez é feito por meio do exame de urina normal, que deve ser solicitado a cada trimestre, já que algumas infecções são assintomáticas. Se existirem sinais de alerta – como por exemplo febre, ardência ou dor ao urinar, os exames deverão ser realizados imediatamente.

Entre as dicas de prevenção, a médica orienta tomar pelo menos dois litros de água por dia, esvaziar a bexiga em intervalos de duas horas, manter uma dieta rica em fibras e, em caso de sinais sugestivos de infecção, procurar atendimento médico o quanto antes.

Últimas notícias