Covid-19: Anvisa libera testes com remédio para artrite em pacientes graves

Estudo internacional da Sanofi e Regeneron Pharmaceuticals vai observar resultados obtidos com uso de sarilumabe, também chamado de Kevzara

atualizado 19/05/2020 12:26

Representação de coronavírus em fundo cinzaAndriy Onufriyenko/GettyImages

Médicos dos Estados Unidos, Itália, Espanha, Alemanha, França, Canadá e Rússia estão testando o uso de um medicamento para artrite na recuperação de pacientes com quadro grave da Covid-19. Na última quinta-feira (14/05), a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) autorizou que brasileiros sejam incluídos nos testes do sarilumabe, também chamado de Kevzara.

A decisão, publicada no Diário Oficial da União, permite que brasileiros façam parte de um estudo desenvolvido pela empresa farmacêutica Sanofi e pela empresa de biotecnologia Regeneron Pharmaceuticals. O remédio ainda não tem a venda autorizada no Brasil.

O medicamento age inibindo a ação da interleucina-6 (IL-6), uma substância responsável por inflamações dos pulmões encontrada em níveis elevados nos pacientes graves da Covid-19.

Por aqui, o teste clínico ainda precisa ser autorizado pela Comissão Nacional de Ética em Pesquisa (Conep). A indicação é que ele seja realizado com pacientes da Covid-19 hospitalizados com quadro clínico grave ou crítico.

Os pacientes serão divididos em três grupos: um deles receberá a dose mais alta de sarilumabe (400 mg); outro, a dose mais baixa (200 mg) e o terceiro grupo, um placebo. Esses pacientes ficarão em observação por até 60 dias após receberem o medicamento ou terem alta hospitalar.

Últimas notícias