Comidas e bebidas ficaram mais doces na última década, diz estudo

Quantidade de açúcares e adoçantes não nutritivos adicionados aos produtos industrializados cresceu, segundo cientistas

atualizado 01/08/2022 12:05

Mulher com sorveteGetty Images

Nos últimos dez anos, os alimentos e bebidas industrializadas ficaram mais doces em todo o mundo, segundo aponta um novo estudo feito na Universidade Deakin, na Austrália, publicado na sexta-feira (29/7) na revista científica Nutrição em Saúde Pública.

Usando dados de vendas de mercado, pesquisadores da universidade australiana analisaram a quantidade de açúcar e adoçantes não nutritivos – como a estévia, o aspartame e a sacarina – vendidos em produtos embalados entre 2007 a 2019.

A quantidade de açúcares neste tipo de produto agora é 9% maior. Países de renda média, como China e Índia, tiveram um aumento de 50% de seu uso para adoçar bebidas. Enquanto isso, países de renda alta, como Austrália e Estados Unidos, caminharam na direção oposta, vendo o uso diminuir.

Os cientistas perceberam que, no período, o volume de adoçantes não nutritivos consumido por pessoa em bebidas aumentou 36%. Entre os produtos de confeitaria, o uso cresceu especialmente em biscoitos e sorvetes.

Publicidade do parceiro Metrópoles 1
Publicidade do parceiro Metrópoles 2
Publicidade do parceiro Metrópoles 3
Publicidade do parceiro Metrópoles 4
Publicidade do parceiro Metrópoles 5
0

O consumo de açúcar adicionado aos alimentos industrializados está associado ao aumento do risco de obesidade, diabetes tipo 2 e cárie dentária. Para tentar driblar esta problema, governos de países ricos desenvolveram leis que restringem sua adição. Uma alternativa encontrada pela indústria alimentícia para conferir o sabor adocicado aos produtos foi o uso de adoçantes não nutritivos.

Embora sejam menos danosos à saúde, os pesquisadores destacam que a ingestão desse tipo de adoçante também traz prejuízos. Ele influencia a percepção do paladar e estimula a vontade de comer alimentos mais doces. Também podem estar relacionados à diabetes tipo 2 e doenças cardíacas, além de prejudicar a microbiota intestinal.

“Embora os danos de consumir muito açúcar adicionado sejam bem conhecidos, confiar em adoçantes não nutritivos como solução também traz riscos”, escreveram os cientistas.

Receba notícias do Metrópoles no seu Telegram e fique por dentro de tudo! Basta acessar o canal: https://t.me/metropolesurgente.

Mais lidas
Últimas notícias