Brasileiros tentam criar vacina contra coronavírus e influenza

Pesquisadores da Fiocruz Minas esperam ter a imunização pronta em dois anos, mas poucas informações sobre o Sars-CoV-2 dificultam a produção

atualizado 12/04/2020 8:38

vacinaçãoDaniel Ferreira/Metrópoles

Um projeto desenvolvido pelo Grupo de Imunologia de Doenças Virais da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) de Minas Gerais, em parceria com o Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia em Vacinas e a Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), está tentando criar uma vacina bivalente contra o coronavírus e a influenza.

A ideia é que, com apenas uma picada, o paciente crie imunidade contra os dois vírus: são usados micro-organismos atenuados que não são capazes de infectar.

A vacina vai começar a ser testada em células de laboratório e em camundongos antes de serem experimentadas em humanos. Os pesquisadores estimam que todo o processo demore cerca de dois anos.

A maior dificuldade encontrada até agora é que o Sars-CoV-2 é um vírus completamente novo e, por isso, ainda não se tem toda a informação de como ele funciona.

“Se tudo der certo, a vacina bivalente pode ser até mais barata do que uma vacina exclusiva para a Covid-19”, explica o pesquisador Alexandre Machado, em entrevista à revista Galileu. O grupo pretende distribuir a imunização pelo Sistema Único de Saúde (SUS).

Últimas notícias