Aprenda como identificar os primeiros sinais de câncer de pele

É necessário estar atento a sinais que aparecem no corpo e vão mudando de aparência. Caso haja suspeita, dermatologista deve ser consultado

atualizado 28/06/2022 19:21

O câncer de pele corresponde a cerca de 30% dos casos da doença no Brasil, e pode aparecer em qualquer parte do corpo. Identificar os primeiros sinais contribui para que o tratamento seja iniciado o quanto antes, o que aumenta as chances de cura.

Existem vários tipos de câncer de pele, que geralmente são classificados como não-melanomas e melanomas. Os casos de não-melanoma são mais frequentes e apresentam altos percentuais de cura. O câncer não-melanoma é mais comum em pessoas com mais de 40 anos e de pele clara.

O melanoma, por sua vez, tem menos casos registrados e é mais grave, devido à possibilidade de se espalhar para outras partes do corpo. É importante fazer visitas periódicas ao dermatologista e questionar sobre algum sinal suspeito.

Melanona

Os casos mais comuns de melanoma se manifestam como sinais na pele.

Dermatologistas recomendam usar a regra ABCDE para a identificação de sintomas desse tipo de câncer. O método é uma sigla para assimetria, borda, coloração, diâmetro e elevação:

  • Assimetria – melanomas geralmente apresentam duas metades bem diferentes e têm forma irregular;
  • Borda – apresentam uma borda áspera;
  • Coloração – melanomas geralmente apresentam duas ou mais cores;
  • Diâmetro – a maioria dos melanomas têm mais de 6 milímetros de diâmetro;
  • Elevação ou alargamento – sinais na pele que mudam de tamanho com o tempo têm mais chances de serem melanomas.
Publicidade do parceiro Metrópoles
0

Não-melanoma

Os primeiros sinais de não-melanona tendem a ter aparência de um caroço, mancha ou ferida descolorida na pele que não cicatriza e continua a crescer.

O sinal pode causar coceira, crostas, erosões ou sangramento ao longo de semanas ou até mesmo anos. Na maioria dos casos, esse câncer é vermelho e firme e pode se tornar uma úlcera. As marcas são parecidas com cicatrizes e tendem a ser achatadas e escamosas.

Esse tipo de câncer geralmente aparece em partes do corpo onde há maior exposição ao sol, estando muito associada à proteção inadequada com filtros solares. Os não-melanomas são aproximadamente 75% dos casos de câncer de pele e têm as seguintes características:

  • Aparência lisa e brilhante, como se fosse feita de cera;
  • Semelhante a uma verruga;
  • Às vezes sangra;
  • Desenvolve uma crosta;
  • Nunca cicatriza;
  • Causa coceira;
  • É achatado e avermelhado;
  • Transforma-se em uma úlcera dolorosa

De acordo com o Instituto Nacional do Câncer (Inca), o não-melanona tende a ser completamente curado quando detectado precocemente. Ele raramente se desenvolve para outras partes do corpo, mas se não for identificada a tempo, pode ir para camadas mais profundas da pele, dificultando o tratamento.

Receba notícias do Metrópoles no seu Telegram e fique por dentro de tudo! Basta acessar o canal: https://t.me/metropolesurgente.

Mais lidas
Últimas notícias