Anvisa quer dados sobre estoques de produtos contra coronavírus

O Ministério da Saúde já demonstrou preocupação sobre o abastecimento de insumos essenciais como máscaras e imunoglobulina

atualizado 28/02/2020 12:10

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) convocou empresas a fornecerem informações sobre estoques de produtos que podem ser usados no enfrentamento do novo coronavírus (Covid-2019).

O edital de chamamento foi publicado nesta sexta-feira, (28/02), no Diário Oficial da União (DOU). A Anvisa disponibilizará a partir de segunda-feira (02/03), um formulário específico no portal da agência para que as empresas se manifestem.

Empresas que tiverem produtos registrados no Brasil, usados no combate à doença, e não responderem à agência podem ser penalizadas pela lei 6.437/77, que prevê desde advertência até a perda de autorização de funcionamento no Brasil. O prazo para contribuições é 13/03.

O Ministério da Saúde já demonstrou preocupação sobre o abastecimento de insumos essenciais para tratar da doença. O secretário-executivo da pasta, João Gabbardo, disse na quinta-feira, (27/02), que o governo poderia ir à Justiça para apreender máscaras em fábricas brasileiras. Também ameaçou pedir multas e retirar do cadastro de fornecedores ao governo de empresas que estariam privilegiando a exportação do produto em vez de atender a uma licitação da pasta.

O ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, também afirmou nesta semana que preocupa o desabastecimento de imunoglobulina, medicamento que pode ser usado para melhorar a imunidade de pacientes mais graves.

“Devem participar do chamamento empresas detentoras de autorização ou registro, no Brasil, de medicamentos, produtos para a saúde, saneantes, cosméticos, alimentos e insumos farmacêuticos que sejam destinados ao diagnóstico, profilaxia, controle ou potencial tratamento da Covid-19”, afirma a Anvisa em nota.

Últimas notícias