metropoles.com

Relatora de CPI critica decisão judicial a favor de presidente da Enel

CPI da Enel na Alesp convocou presidente para depor nesta 3ª, mas ele poderá ficar calado para não produzir provas contra ele mesmo

atualizado

Compartilhar notícia

Rodrigo Costa/Alesp
Fotografia colorida mostra a deputada estadual Carla Morando (PSDB), relatora da CPI da Enel, uma mulher branca usando rabo de cavalo, óculos e paletó azul - Metrópoles
1 de 1 Fotografia colorida mostra a deputada estadual Carla Morando (PSDB), relatora da CPI da Enel, uma mulher branca usando rabo de cavalo, óculos e paletó azul - Metrópoles - Foto: Rodrigo Costa/Alesp

São Paulo – A deputada estadual Carla Morando (PSDB), relatora da CPI da Enel na Assembleia Legislativa (Alesp), criticou a decisão judicial que permitirá ao presidente da companhia, Max Xavier Lins, permanecer em silêncio nesta terça-feira (14/11) durante depoimento à comissão.

“É lamentável a Justiça ver a situação do estado, o que aconteceu com toda a população e conceder uma liminar para que ele possa permanecer calado e não faça juramento de dizer a verdade. A Justiça está trabalhando contra a população, não consigo entender de outra forma”, disse ela.

Lins recebeu um habeas corpus preventivo na noite desta segunda-feira (13/11)  após alegar que, caso fosse ouvido na CPI na condição de testemunha, tivesse de responder a perguntas que, mais tarde, seriam usadas como provas para uma acusação contra ele mesmo.

O presidente da Enel inicialmente havia sido convidado a depor na CPI, instalada em abril, antes da crise que atingiu o Estado há uma semana, para apurar cobranças abusivas nas contas de energia.

Após o apagão de 3/11, que afetou mais de 2 milhões de pessoas no estado, a comissão ganhou força e Lins, que poderia se recusar a depor por ter sido apenas convidado, passou a ser convocado e obrigado a ir.

“O silêncio dele só vai mostrar mais uma vez o descaso com toda a população e aí a gente vai tomar as medidas cabíveis dentro do que a gente colher”, disse Carla Morando.

A deputada disse ter pedido à presidência da Alesp que também ingressasse com um pedido na Justiça para derrubar o habeas corpus, mas que ainda não havia recebido retorno.

Além de Lins, os deputados também convocaram o presidente da Enel Brasil, Nicola Cotugno, e uma executiva da empresa para serem ouvidos na quinta-feira (16/11).

Carla acompanhou o marido, o prefeito de São Bernardo do Campo, Orlando Morando (PSDB), a uma reunião no Palácio dos Bandeirantes com o governador Tarcísio de Freitas (Republicanos), prefeitos de 21 cidades da Grande São Paulo e o presidente da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) para discutir falhas no serviço da Enel.

Compartilhar notícia

Quais assuntos você deseja receber?

sino

Parece que seu browser não está permitindo notificações. Siga os passos a baixo para habilitá-las:

1.

sino

Mais opções no Google Chrome

2.

sino

Configurações

3.

Configurações do site

4.

sino

Notificações

5.

sino

Os sites podem pedir para enviar notificações

metropoles.comSão Paulo

Você quer ficar por dentro das notícias de São Paulo e receber notificações em tempo real?

Notificações